sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Cem mil cristãos são mortos por ano por razões ligadas à fé

Dado foi revelado pelo observador da Santa Sé na ONU. Oriente Médio, África e Ásia são palcos de maior número de violações.

Da AFP | G1

Quase 100 mil cristãos morrem todos os anos por razões relacionadas à sua fé, denunciou o observador permanente da Santa Sé nas Nações Unidas, informou nesta terça-feira (28) a Rádio Vaticano.

"Investigações confiáveis" levaram à "conclusão chocante" de que "mais de 100 mil pessoas são mortas por ano, por motivos que têm alguma relação com sua fé", denunciou o monsenhor Silvano Maria Tomasi, durante a 23ª sessão do diálogo interativo entre o Conselho dos Direitos Humanos e o alto comissário.

Monsenhor Tomasi também denunciou que cristãos são obrigados a renunciar a sua fé e a suportar a destruição de seus locais de culto, além dos sequestros de seus líderes religiosos, como ocorreu na Síria, onde dois padres ortodoxos foram levados por homens armados perto de Aleppo.

O Oriente Médio, a África e a Ásia são as regiões onde ocorrem o maior número de violações contra a liberdade religiosa.

Essas violações são "fruto do sectarismo, da intolerância, do terrorismo e de leis que excluem", indicou.

Tomasi lembrou o peso da Igreja em muitas áreas: na educação, desde a creche até a universidade; na saúde, dos berçários aos hospitais; no social, das casas de repouso e orfanatos até centros de reabilitação; nos serviços prestados nos campos de refugiados e deslocados.

Sob chuva, fieis se aglomeram na Praça São Pedro, no Vaticano, para assistir à missa deste domingo (5) celebrada pelo Papa Francisco (Foto: Andreas Solaro/AFP)

Segundo a Rádio Vaticano, monsenhor Tomasi elogiou o primeiro-ministro de Bangladesh, que introduziu uma lei contra a blasfêmia na legislação de seu país.

Por sua vez, o secretário do Conselho Pontifício para a Justiça e a Paz, o arcebispo Mario Toso, declarou recentemente durante uma conferência sobre a discriminação, no quadro da plenária da OSCE (Organização para a Segurança e Cooperação na Europa) em Tirana, que os episódios de discriminação contra cristãos aumentaram na região entre a Europa e a Ásia central, apesar das conferências organizadas pela OSCE.

"Lamentamos o fato de terem traçado uma linha entre o credo religioso e a prática religiosa, o que faz com que alertemos aos cristãos, cada vez mais numerosos ante os tribunais, que há a liberdade privada de crer e praticar em suas igrejas, mas fica proibido agir publicamente em nome da fé", declarou.

A discriminação dos cristãos "deve ser combatida assim como o antissemitismo e a islamofobia", considerou Toso, segundo declaração citada pelo Vaticano.

Nenhum comentário: