quarta-feira, 16 de abril de 2014

O Filho de Deus: estreia traz vida de Jesus aos cinemas brasileiros


A vida de Jesus Cristo é certamente uma das mais instigantes e deslumbrantes que o mundo ocidental já presenciou. É por este sentimento que sua história desperta nas pessoas que volta e meia o cinema produz obras tendo o filho de Deus como tema. O Filho de Deus (Son of God, EUA, 2014) é a primeira grande produção a trazer a vida de Jesus Cristo de volta para a telona nos últimos dez anos (desde o grandioso A Paixão de Cristo¸ de 2004). Por isso o interesse pela estreia do filme no circuito comercial (marcado para esta quinta-feira) vem sendo muito grande.

O Filho de Deus conta com locações exóticas, visual deslumbrante e uma trilha sonora orquestrada pelo multi premiado Hans Zimmer. O ator português Diogo Morgado interpreta Jesus. Os produtores estão animados com a estreia da vida de Jesus nos cinemas. “Esta história precisava ser vista na telona. O público em todos os cantos do mundo permanece sentado após o final do filme, incapaz de se mover. As pessoas ficam paralisadas com o que acabaram de testemunhar. É a história de Jesus para toda uma nova geração”, diz Roma Downey, atriz e uma das produtoras do projeto.

A Bíblia
O lançamento de O Filho de Deus é o resultado de um trabalho de quatro anos e meio para Downey e Burnett, os produtores. Eles descobriram que tinham muito a agradecer com o absurdo sucesso da minissérie, A Bíblia (2013), que bateu todos os recordes do canal fechado americano que exibiu a série. Foi quase que natural pensarem em transpor a grandiosa história de Jesus também para os cinemas. Para a dupla, trazer a história de Jesus para a tela de cinema era, ao mesmo tempo, uma alegria e uma grande responsabilidade: “Trabalhar com A Bíblia e agora com O Filho de Deus foi paixão pura para Mark e eu”, diz Downey.

Burnett afirma que apesar de o filme ser ambientado dois mil anos atrás, terá certamente voz no público atual. “O Filho de Deus é contemporâneo porque os personagens são apresentados de maneira a permitir a conexão imediata com o espectador. Existem personagens são familiares, que parece que você já os conhece. Cada um deles, exceto Jesus, é humano e profundamente falho e é isso que é relevante para todos nós”.

Política
Um dos elementos que fazem o espectador se intrigar com a estreia do filme nos cinemas é a abordagem política prometida ao filme. Sabemos que a morte de Jesus possui uma estreita relação com a política. Mark Burnett explica: “Em sua essência, O Filho de Deus é um thriller. Se passa em uma época quando a nação judia está ocupada pelos romanos, que ameaçam brutalmente os judeus. É uma situação extremamente tensa”.

“Os judeus procuravam uma saída para a opressão promovida pela ocupação romana. Eles procuravam um messias. E Jesus chegou com uma mensagem de esperança. Ele trouxe uma revolução de amor, mas para as autoridades, romanas e religiosas, ele era uma mensagem perigosa. E tinha que ser calado”.

Jesus
O maior desafio que o projeto teve desde o seu nascimento foi buscar um Jesus Cristo que representasse com força todo o sentimento que o filme pretendia passar aos espectadores.  Foi através de um vídeo enviado para Downey e Burnett pelo agente de casting em Londres que acabou com a procura pelo Messias da história. Downey recorda o dia em que assistiram à audição gravada: “Este ator português chamado Diogo Morgado tinha gravado sua própria audição. Ele não tinha cabelos compridos ou uma barba; ele estava apenas lendo o roteiro, e ele tinha um sotaque pronunciado. Mas simplesmente havia alguma coisa naquela fita, e por isso decidimos nos encontrar com Diogo”.

O diretor do filme Christopher Spencer é um entusiasta do trabalho de Morgado como o personagem principal. “O aspecto mais empolgante do filme foi trabalhar com Diogo”, ele diz. “Juntos, discutimos novas maneiras de visualizar algumas das cenas. Ele simplesmente estava cheio de ideias”.

Agora resta esperar a estreia do filme nos cinemas para saber se o resultado desta enorme empreitada será bem sucedida. Não há dúvida que o público brasileiro, a maior comunidade cristã do mundo, está ansiosa para ver as principais sequências desta icônica história. A crucificação, os milagres, a ressurreição… todos estes eventos que se encontram entre os mais marcantes da história ocidental poderá ser vista em poucos dias.

Fonte: Cabine Cultural

 

Nenhum comentário: