quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Pontifícia Universidade Católica: pontifícia e católica



Querem banir o catolicismo da PUC, trocá-lo por cristianismo light ou nem isso. Lista tríplice é um mecanismo justo. Dom Odilo exerce seu nítido direito

Edson Luiz  Sampel | Folha de S. Paulo
Imagem: Internet

É líquido e cristalino o direito do grão-chanceler da PUC-SP, arcebispo de São Paulo, de nomear reitor um entre os três professores eleitos pela comunidade universitária.

O procedimento da lista tríplice, igualmente adotado em várias instâncias do Estado -como na escolha de juízes de tribunais superiores ou do chefe do Ministério Público-, revela-se altamente democrático.

Ele produz um equilíbrio saudável entre o sufrágio dos eleitores e a participação crítica do moderador que, entre três pessoas, dará posse àquela que mais se aproxima do perfil ideal para ocupar o cargo.

No caso da PUC-SP, os corpos docente e discente, bem como os funcionários, em votação universal, endossam os três candidatos com potencial para assumir a reitoria.

O grão-chanceler, autoridade máxima da universidade, nomeia um deles. Fá-lo com cabal discricionariedade, tendo em vista o bem maior da instituição.

A PUC-SP é uma escola confessional, católica e pontifícia, conforme indica seu próprio nome, estando sob a égide tanto do direito estatal quanto do direito canônico.

Com efeito, reza a constituição apostólica Ex Corde Ecclesiae, a lei canônica que disciplina as universidades católicas, que uma das características essenciais desse jaez de instituição de ensino consiste na "fidelidade à mensagem cristã tal como é apresentada pela Igreja" (13, 3).

Dom Odilo tem dado o melhor de si para recrudescer a confessionalidade da PUC-SP, resgatando-lhe a "alma católica". Infelizmente, essa postura do grão-chanceler, assaz benemérita e imprescindível do ponto de vista pastoral e jurídico-canônico, arrosta opositores vorazes.

Debaixo do inconsistente vexilo da independência acadêmica, alguns desejam mesmo que o catolicismo seja banido do campus e cambiado por um relativismo cristão ou cristianismo light ou, então, por outras ideologias.

É possível imaginar não protestantes assumindo a direção da Universidade Presbiteriana Mackenzie? É claro que não, haja vista a natureza confessional dessa escola. Quer-se preservar a integridade da doutrina de Calvino. Eles têm todo o direito de proceder desse modo. Vivemos num país livre.

E as escolas hebraicas de São Paulo? Acolheriam elas em seus quadros executivos católicos ou protestantes? É óbvio que não fazem isso. São judeus, quando não rabinos, que dirigem essas entidades.

Tal raciocínio é válido inclusive para empresas privadas. Quanto tempo duraria na fábrica da Volkswagen um diretor que fosse grande defensor e entusiasta dos automóveis montados pela Ford? Cuido que não teria sobrevida de uma semana.

No entanto, querem que a PUC-SP seja complacente com professores que defendem, por exemplo, o aborto na mídia -e que só tem acesso aos jornais em virtude de exibirem o título de professor ou professora da PUC-SP.

Quanto mais congruente com os valores autenticamente católicos, tanto mais a PUC-SP acenderá ao cume da excelência científica, pois a Igreja é perita em humanidades (Populorum Progressio, 13).

EDSON LUIZ SAMPEL, 47, doutor em direito canônico pela Pontifícia Universidade Lateranense, do Vaticano. É professor do Instituto Teológico Pio XI (Unisal) e da Escola Dominicana de Teologia (EDT)

3 comentários:

Anônimo disse...

É cristalina a guerra declarada contra a Igreja católica em todo o mundo. Através de movimentos humanistas e o esquerdismo mundial, jovens aloprados se esforçam para banir tudo que é relacionado ao cristianismo, para tanto, atingem a maior força cristã mundial: A Igreja Católica. Sua fé, tradições, cultura e até a própria Santa Missa, já foram adulteradas pelo Concílio Vaticano II, em razão das infiltrações de liberais, maçõns e comunistas. Por quase 200 anos, antes do Concílio(1962), tentaram desfigurá-la, até que conseguiram. A maioria das altoridades eclesiásticas são traidoras e se curvam às reinvindicações esquerdopatas. Haverá um dia, em que esses serão desmascarados e a Igreja de Cristo prevalecerá triunfante sobre Satanás e seus idiotas úteis.

Anônimo disse...

A Igreja Católica, é quem construiu e organizou as primeiras escolas no Ocidente. É graças a ela que existem escolas e universidades! As escolas públicas do Estado, só surgiram muitos séculos depois e com o objetivo de limitar o papel educativo da igreja. O que essa gente pretende é banir, gradativamente, a influência, a história e os méritos da igreja junto à sociedade, porque ela é o baluarte de uma fé que se contrapõe ao secularismo, a libertinagem e propugna pela verdadeira ciência, que deve estar vinculada a Deus. Esses revolucionários mimados (esquerdista de todas as matizes), querem retirar tudo que seja relacionado à fé cristã da vida pública. O cristianismo é o último entrave para suas ambições socialistas e pervertidas. O cerco está se apertando para os verdadeiros cristãos, que terão de fazer a escolha entre se entregar ao mundo ou a Cristo.

Anônimo disse...

São professores intelectuaizinhos.

Querem deificar a PUC aos moldes de seus deuses pagãos. Nunca leram nada de útil em matéria de história ou filosofia, que não fosse pela lente do marxismo.

“A religião não se resume apenas a uma devoção sentimental, a preceitos morais ou a consolações para uso de espíritos enfraquecidos pelo sofrimento, mas que se pode nela encontrar o alimento sólido de que fala S. Paulo na Epístola aos Hebreus.
A verdadeira intelectualidade está fortemente relacionada a religião, sua doutrina e tradição”.
(Os Símbolos da Ciência Sagrada – Guénon, René; Ed. Pensamento – SP)