quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Medo faz minoria cristã na Síria defender permanência de Assad

Religiosos dizem temer regime mais duro e de matriz islâmica se atual ditadura for derrubada


Líderes acusam países árabes de querer impor seu plano para os sírios sem ter, eles mesmos, liberdade e democracia


Karen Marón | Folha de S. Paulo


"Como Cristo se sacrificou pela humanidade, estamos dispostos a nos sacrificar pela pátria. Os que pertencem a grupos armados são intrusos ligados a estrangeiros", diz à Folha Louka el Khouri, bispo auxiliar do patriarca da Igreja Ortodoxa Grega e figura muito influente no mundo cristão do Oriente Médio.


"Alguns países árabes querem impor seu plano e não têm liberdade nem democracia", afirma o bispo, aludindo a Qatar e Arábia Saudita, na sua sala de trabalho no bairro cristão de Damasco. O bairro abriga várias igrejas, de diversas confissões: ortodoxas e católicas síria e grega, armênia e maronita.


"Rezamos todos os dias para que Deus proteja a Síria e o presidente Assad e cuide de seus filhos", diz El Khouri.


A comunidade cristã vive dias de terror após os combates entre forças do regime e grupos armados em Homs. Segundo a associação católica francesa Obra do Oriente, casas de cristãos e muçulmanos foram "depredadas, saqueadas ou destruídas", assim como uma igreja e escolas ortodoxas.


O medo cala fundo entre a minoria cristã no país, uma comunidade especialmente perseguida no Oriente Médio.


Apesar disso, o líder cristão ortodoxo da Síria, Ignacio 4º Hazim, 91, diz: "Nós, cristãos, não temos medo. Se alguns decidiram emigrar, foi por razões econômicas".


As minorias da Síria -cristãos, alauítas, curdos e drusos- se mantêm fiéis ao regime nestes 11 meses de revolta, por medo de que se rompa o equilíbrio entre confissões religiosas e de perder a proteção que têm. A maioria do país é muçulmana sunita.


"O salafismo é uma moda que está se impondo no interior do islã nos últimos anos, e é preciso perguntar-se quem está por trás dela", assinalou Ignacio 4º, aludindo ao crescimento do extremismo em países do golfo Pérsico.


Os cristãos, que são menos de 10% dos 22 milhões de habitantes da Síria, torcem para que Assad permaneça no poder. Para Jean Clément Jeanbart, bispo grego de Aleppo, se o regime sírio for deposto, há a possibilidade de surgir outro mais duro, de matriz islâmica.


É por isso que os cristãos se dividem entre o desejo de abertura democrática na Síria e o medo de serem perseguidos como a população cristã no Iraque após Saddam Hussein cair, em 2003.


Tradução de Clara Allain

Nenhum comentário: