quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Livro 'Os Doze Pontos de Berlim' traz orientações práticas para o diálogo entre cristãos e judeus





O livro “Os Doze Pontos de Berlim e a História da Transformação de um Relacionamento” traz orientações práticas para cristãos, judeus e para as duas comunidades em conjunto, em busca do diálogo.


O documento, produzido pelo International Council of Christians and Jews (ICCJ), foi aprovado em 2009, em Berlim, Alemanha, e publicado em português em 2011. Fundado em 1947 como reação ao Holocausto, o ICCJ abriga 38 organizações pelo diálogo católico-judaico localizadas em 32 países, entre as quais o Conselho de Fraternidade Cristão-Judaica, no Brasil. Mais recentemente, muçulmanos têm também participado dos eventos da entidade.


Em 1947, 65 judeus e cristãos de 19 países se reuniram na Suíça, para expressar sua consternação pelo Holocausto, sua determinação de lutar contra o antissemitismo e o desejo de fortalecer o relacionamento entre judeus e cristãos. Eles redigiram um documento com Dez Pontos solicitando às igrejas cristãs que modificassem seus conceitos sobre o judaísmo.


Os Doze Pontos redigidos em 2009 refletem a necessidade de atualizar o documento anterior, levando em conta os avanços do diálogo inter-religioso que vêm ocorrendo desde 1947.


Entre as proposições do novo documento às comunidades cristãs estão:


- reconhecer a identidade profunda de Jesus e de Paulo como judeus de seu tempo e interpretar seus ensinamentos no contexto do Judaísmo do primeiro século;
- apresentar os dois testamentos na Bíblia cristã como complementares ao invés de antagônicos ou inferiores/superiores;
- eliminar das liturgias cristãs todas as alusões antijudaicas;
- desenvolver a compreensão teológica do Judaísmo, afirmando a sua integridade específica;
- compreender plenamente o apego profundo do Judaísmo à Terra de Israel como um dado fundamental, e a ligação de muitos judeus com o Estado de Israel como questão de sobrevivência tanto física como cultural.


Entre as proposições às comunidades judaicas estão:


- levar em conta as implicações das mudanças realizadas nas igrejas cristãs em relação aos judeus e à compreensão do Judaísmo;
- estudar o Novo Testamento como um texto sagrado para o Cristianismo e também como um texto literário escrito em grande parte por judeus num contexto histórico-cultural análogo ao da primeira literatura rabínica;
- diferenciar entre a crítica imparcial a Israel e o antissemitismo;
- ajudar os cristãos a compreender que, além da fé e das práticas religiosas, a identidade comunitária e a consciência de formar um povo fazem parte da autocompreensão judaica, fazendo com que a sobrevivência e a segurança do Estado de Israel tenham uma importância muito grande para a maior parte dos judeus.


Para o rabino Alexandre Leone, a obra é “um marco no diálogo entre cristãos e judeus e aponta para a necessidade de mobilizá-los para agirem juntos em prol da reafirmação da dignidade humana”.


“Os Doze Pontos de Berlim” também aborda a historia das relações entre o judaísmo e o cristianismo.


O livro foi editado no Brasil pela Editora Oikos, de São Leopoldo/RS. A organização é da Irmã Gisa Fonseca, da Casa da Reconciliação, em São Paulo.


Fonte: Conib

Nenhum comentário: