quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Exposição traz momentos preciosos da arte romana



"Roma - A Vida e os Imperadores" fica em cartaz no Masp até 1º de abril


Os momentos espetaculares são numerosos. atraem pela familiaridade com que nos transportam aos tempos antigos


Jorge Coli | Folha de S. Paulo


Há uma exposição nova no Masp (Museu de Arte de São Paulo) que é bastante excepcional, sobretudo em termos brasileiros. Veio de Belo Horizonte, onde esteve exposta na Casa Fiat de Cultura.


Intitula-se "Roma - A Vida e os Imperadores". É substancial, com número significativo de obras emprestadas por vários museus italianos. Há joias, mosaicos, afrescos, esculturas, vestimentas.


Muitas das obras são enormes e pesadíssimas -esculturas de mármore com mais de dois metros de altura, afrescos destacados das paredes originais, medindo 3,50 m x 3,65 m.


É possível pôr reparo nas informações sobre cada uma delas: não estão presentes nas etiquetas, e aparecem apenas no catálogo, sob forma de fichas minúsculas e sumárias, não traduzidas para o português.


O visitante curioso fica sem conhecer o que quer que seja sobre as histórias das peças: onde foram encontradas, a que coleção pertenceram, quando foram restauradas.


Melhor afastar, no entanto, quaisquer ressalvas azedas. A oportunidade é preciosa: nem sempre se pode ver, aqui no Brasil, arte romana de bela qualidade.


A inflexão ilustrativa que conduz a mostra (ilustrar por esculturas, camafeus etc. alguns príncipes e imperadores; expor utensílios técnicos ou domésticos; oferecer uma percepção das crenças e dos rituais religiosos) nunca é sacrificada à qualidade intrínseca das peças.


Cada uma tem seu interesse; várias são de grande beleza, outras seduzem pelo próprio encanto das soluções técnicas. É assim com a raríssima groma, do Museu Arqueológico de Nápoles, instrumento que servia para medir terrenos, testemunho da organização social e tecnológica da antiguidade romana.


Mas a mostra reúne ainda todo um conjunto de utensílios pertencentes à vida cotidiana: tinteiros, panelas, aquecedores de líquidos diversos, balanças, candelabros, braseiras (recipientes de bronze para brasas que aqueciam o ambiente) -uma delas com esculturas de três jovens sátiros expondo, sorridentes, o membro em riste e nos afastando com um gesto firme da mão esquerda.


O pênis ereto, associado ao culto da fertilidade, tem, nessa mostra, uma apoteose. Os curadores trouxeram do Museu Arqueológico de Florença um enorme falo de mármore, com 1,40 m. Ele teria um vínculo com o culto de Príapo, o deus da fecundação.


Os momentos espetaculares são numerosos, e maravilham. Obras mais confidenciais atraem pela fatura cuidada, pela familiaridade com que nos transportam aos tempos antigos: num relevo, o vendedor de travesseiros convence seu freguês; em outro, são construtores de um edifício que trabalham.


E essa maravilhosa deusa Fortuna, vinda do Museu Arqueológico de Nápoles, em bronze, com 36 cm de altura, tão elegante, tão grande dama e tão melancólica ao mesmo tempo...


Jorge Coli é professor de história da arte e da cultura da Unicamp.


ROMA - A VIDA E OS IMPERADORES
QUANDO de ter. a dom., das 11h às 18h; às qui., das 11h às 20h; até 1º de abril
ONDE Masp (av. Paulista, 1.578; tel. 3251-5644)
QUANTO R$ 15
CLASSIFICAÇÃO livre
AVALIAÇÃO ótimo

Nenhum comentário: