quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Jornalistas acusam revista da USP de "mascarar ditadura cubana" com verba pública


Luiz Gustavo Pacete | Portal Imprensa

Os jornalistas Leandro Narloch e Duda Teixeira, autores do livro "Guia Politicamente Incorreto da América Latina", criticaram, em um artigo publicado na Folha de S. Paulo desta quinta-feira (20), a revista Estudos Avançados, publicada pelo Instituto de Estudos Avançados da USP (IEA).

Segundo os jornalistas, a revista mascara o que eles chamam de "a mais longa ditadura atual" com dinheiro público. Eles se referem à última edição, número 72, especial sobre Cuba. "O dossiê que compõe a maior parte da edição apresenta estudos que são tudo, menos avançados: artigo sem nenhuma intenção cientifica e peças de propaganda escrita por pessoas ligadas ao governo cubano".

O dossiê é composto por 17 artigos de 14 autores cubanos, entre pesquisadores, ensaístas, jornalistas, literatos e críticos de arte, além de dois brasileiros: Frei Betto e Luiz Carlos Bresser-Pereira.

Os jornalistas justificam a indignação com o argumento de que a revista é financiada com verba do Governo Federal. "São cerca de R$ 3 bilhões por ano, pagos por empresas capitalistas e por cidadãos de todas as classes sociais, que vivem numa democracia com liberdade de pensamento".

Narloch e Teixeira também contestam as imagens publicadas que, segundo eles, foram fornecidas pelo governo cubano. "Deve ser direito de qualquer pessoa manifestar a opinião que desejar, inclusive as mais ultrapassadas. Mas se essa manifestação envolve dinheiro público, então é preciso acatar opiniões divergentes e realizar apenas as tarefas para as quais os recursos se destinam".
IMPRENSA entrou em contato com o editor da revista, Alfredo Bosi, titular de literatura brasileira da FFLCH/USP, membro da Academia Brasileira de Letras e atual vice-diretor do IEA. Entretanto, o acadêmico está em viagem e não pôde responder às afirmações dos jornalistas.

No editorial, a publicação afirma que "o interesse no tema pelo fato de as informações que chegam de Cuba serem muitas vezes escassas e imprecisas, com 'a mídia registrando aspectos por vezes indesejáveis da estrutura político-partidária'".

A Estudos Avançados foi criada em outubro de 1987 e se propõe a tratar temas relacionados à ciência e cultura por meio de pesquisas e discussões. Sua tiragem é de 2.500 exemplares. No site da publicação é possível contratar a assinatura, que custa R$ 80 por ano.

Nenhum comentário: