terça-feira, 4 de outubro de 2011

Cúpula da Universal investe em negócios de segurança privada

Bispo e pastores da igreja são donos de empresa que tem contratos de R$ 2,4 milhões com governo de SP


Lei não impede que os religiosos explorem a atividade no país; empresa também tem negócios no Paraná, no Rio de Janeiro no DF


Elviara Lobato / Aguirre Talento / Folha de S. Paulo


A rede de negócios em torno da Igreja Universal do Reino de Deus chegou ao ramo da segurança privada.


A Centurião Segurança Patrimonial, que pertencente a um bispo e a três pastores que integram a cúpula da igreja, começou a ganhar espaço no mercado de São Paulo.


A empresa assinou seis contratos neste ano com secretarias e órgãos do governo de São Paulo, que somam R$ 2,4 milhões, e também disputa licitações de prefeituras.


Segundo o Estado, a Centurião foi escolhida por ter oferecido o menor preço nos pregões eletrônicos.


Seus donos possuem outra empresa de segurança privada na Bahia, a Armada Real. As duas funcionam com autorização da Polícia Federal.


De acordo com empresários da área, a Centurião direcionou seu foco para o setor público, que representa 35% do mercado de segurança privada -cujo faturamento é de cerca de R$ 5 bilhões por ano somente no Estado de São Paulo.


A Centurião atua no Paraná, no Rio e no Distrito Federal e, assim como a Armada Real, oferece segurança armada ou desarmada.


Estão registradas nos nomes do bispo Walcysneu Carlos Macedo de Oliveira (diretor da editora e gráfica da Universal) e dos pastores Oswaldo Luiz de Moraes Bandeira, Luiz Cláudio da Silva Costa (diretor da TV Record Brasília), e Júlio Cesar Ribeiro (ex-diretor da Record Bauru).


Eles integram o núcleo de confiança de Edir Macedo.


Os contratos com o governo de São Paulo são para segurança desarmada e aparecem com destaque na página da empresa inwwternet.


O maior deles (R$ 1,42 milhão por 15 meses) é com a Secretaria de Desenvolvimento e Planejamento. Desde abril, a Centurião faz a segurança no prédio da secretaria.


Mais três contratos foram assinados em abril: com a Procuradoria-Geral do Estado (R$ 135 mil), com a Fundação Pró-Sangue Hemocentro (R$ 289 mil), e com a Secretaria de Admiwnistração Penitenciária (R$ 55 mil).


Igreja afirma que não é dona da empresa


A Igreja Universal do Reino de Deus afirmou que não é dona da Centurião.


"Ela é apenas mais uma das prestadoras de serviços, como outras centenas que temos no nosso rol de fornecedores", disse em nota a assessoria jurídica.


Segundo a igreja, o valor pago à Centurião é questão "estritamente privada e confidencial".
Não há impedimento legal para que religiosos constituam empresas de serviços de segurança armada ou desarmada.


Um dos sócios da Centurião, Luiz Cláudio da Silva Costa disse que a ela é negócio descolado de suas atividades na igreja.


"Minhas atividades empresariais são totalmente independentes da minha fé professada", afirmou.

Um comentário:

Oluap Moto - Rádios Comunicadores Motorola disse...

Gostamos muito da matéria! Parabéns! Completa e esclarecedora!
Aproveito e indico o site http://www.oluapmot.com.br/index.php
A empresa tem muita experiência de mercado em radios comunicadores Motorola e pode tanto tirar dúvidas, como apresentar os melhores produtos do mercado! Recomendo!