quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Cris Poli, a Supernanny brasileira, defende a Bíblia como base educacional

Confira nosso papo com a 'babá' mais pop do Brasil, com sangue 'hermano' nas veias

Jornal do Brasil Com Pedro Willmersdorf e Beatriz Medeiros


Quem não sente arrepios ao ver uma criança mostrando toda a potência de seus pulmões e lágrimas no meio do corredor do shopping? Pois há cerca de 5 anos, a resposta engraçadinha para os pitis infantis é uma só: “Chama a Supernanny!”. Desde que apareceu no programa do SBT com a tarefa de ‘moldar’ os métodos educacionais de algumas famílias, Cris Poli é mais conhecida pelo codinome da personagem do que pelo que consta em sua certidão de nascimento. No documento, aliás, dá para ver que a educadora nasceu do outro lado da fronteira, na Argentina. Mas adotou o Brasil como lar em 1976, durante uma das (infelizmente) recorrentes crises no país hermano.


'Pais responsáveis educam juntos' é o quinto livro de Cris Poli

Além do programa originalmente exibido na Inglaterra, Cris quer auxiliar a educação nas famílias através dos livros que escreve. O mais recente deles, Pais responsáveis educam juntos, está chegando às livrarias e, nesta quinta-feira (13/10), a Livraria da Travessa, na Barra da Tijuca, receberá também a autora, às 19h30.
“Ultimamente, vejo que os pais sentem dificuldade e insegurança em assumir sua autoridade. Como trabalham muito e ficam bastante tempo longe dos filhos, não sabem como agir nesse pouco tempo livre e acabam sendo permissivos ao invés de colocar limites”, pontua. “De certa forma, tentam compensar a ausência com liberdade e essa insegurança no comportamento não traz bons resultados”, sentencia a autora, que já produziu também kits de educação infantil para escolas.

As cobiçadas técnicas educacionais usadas por Cris são resultado de muitos anos de experiência (aos 18 anos, ainda na Argentina, ela começou a estudar Educação no Instituto Nacional Superior del Professorado em Lenguas Vivas Juan Ramón Fernandez – ufa!) e do contato que teve com o método americano de educação cristã, em 1995, que lida com o comportamento e formação de personalidade das crianças, além de trabalhar em sintonia com a família. “É um modelo de ensino de Inglês, mas foi a partir daí que comecei a me envolver com a família. O trabalho individual com a criança e sua família é muito importante, porque o núcleo familiar é a primeira fonte de educação dos filhos”, explica. Apesar do formato do programa Supernanny ter sido importado da Inglaterra, junto de suas características originais, a experiência de Cris contou na hora de moldá-lo à realidade brasileira. “Fui acrescentando coisas que trouxe com minha experiência e, hoje, ele já tem uma cara completamente diferente do original. Já tem a NOSSA característica brasileira”, diz, assim mesmo, com ênfase no 'nossa'. Afinal, são mais de 30 anos no Brasil.

Cris Poli acredita que educar sob as diretrizes de uma religião faz total diferença Para a educadora, a religião é um dos grandes alicerces da educação. “Creio que o conhecimento da palavra de Deus dá um suporte aos pais, quanto aos valores e princípios que devem passar para os filhos”, acredita. “Vejo que, hoje em dia, esses valores e princípios estão sendo questionados e mudaram muito com o passar dos anos. Acredito que a Bíblia é um suporte firme, no qual é possível ter verdadeira confiança na hora de determinar esses princípios. Tenho visto que isso faz diferença”, finaliza.

Não podíamos nos despedir da “Supernanny” sem pedir alguns conselhos para as nossas crianças, né? “Meu livro está cheio de dicas”, brincou. “Mas acredito que o mais importante é não ter medo de educar e assumir sua responsabilidade. Ninguém nasce sabendo ser pai ou mãe e, se alguma coisa der errado, depois a gente conserta”, aconselha. Conserta e usa um dos livros dela como base, certo?

Nenhum comentário: