sábado, 2 de julho de 2011

John Piper Lamenta Normalização da Homossexualidade como "Nova Calamidade"

(Foto: SBC via The Christian Post)
John Piper fala para centenas de pastores em na Conferência de Pastores da Convenção Batista do Sul da de 2011, em Phoenix, Arizona, 13 de junho de 2011.

Em meio às contínuas celebrações do "orgulho gay" e a pressão contínua pelo casamento gay entre os estados, o influente evangélico John Piper quer colocar tudo em perspectiva para a Igreja.

Em meio às contínuas celebrações do "orgulho gay" e a pressão contínua pelo casamento gay entre os estados, o influente evangélico John Piper quer colocar tudo em perspectiva para a Igreja.

"Minha sensação é que não percebemos que uma calamidade está acontecendo ao nosso redor", Piper, pastor da Igreja Batista Bethlehem em Minneapolis, escreveu em um comentário na quinta-feira. "Os Cristãos, mais claramente do que outros, podem ver a onda de dor que está a caminho. O pecado carrega em si sua própria miséria. "

Tem sido quase uma semana desde que o casamento para casais de gays e lésbicas foi legalizado em Nova York e desde que centenas de milhares de norte-americanos celebraram homossexualidade com paradas de orgulho gay, não só em Nova York, mas também no estado de Piper, Minnesota.

A homossexualidade e sua celebração não são novidade, o pastor reformado esclareceu.

"[A homossexualidade] esteve aqui desde de que nos conhecemos por gente", escreveu ele. "O que há de novo nem sequer é a celebração do pecado homossexual. O comportamento homossexual tem sido explorado, e revelado, com, e celebrado, por milênios."

"O que há de novo", ressaltou, "é a normalização e institucionalização. Esta é a nova calamidade".

A América, e o resto do mundo para essa questão, está se movendo em direção à institucionalização da homossexualidade, o pastor de 65 anos lamentou.

A Bíblia deixa claro, indicou, que o comportamento homossexual é pecado.

E, "ao lado de sua mais clara explicação sobre o pecado das relações homossexuais (Romanos 1:24-27) representa a acusação da celebração do mesmo", declarou o respeitado pastor.

"Embora as pessoas saibam intuitivamente que os atos homossexuais (junto com fofocas, calúnias, altivez, insolência, ostentando, infidelidade, atrocidade, crueldade) são pecado," não só fazê-los, mas dar a aprovação para os que as praticam “(Romanos 1:29 -32)”. 'Eu vos digo até com lágrimas, que muitos se gloriam em sua vergonha' (Filipenses 3:18-19)."

Este é o lugar onde grande parte da América está hoje. Uma pesquisa do Gallup, no mês passado revelou que, pela primeira vez desde que começou a acompanhar a questão do casamento homossexual em 1996, a maioria dos americanos (53 por cento) acreditam que os casamentos entre casais do mesmo sexo devem ser reconhecidos por lei como válida.

Além disso, 56 por cento dos americanos dizem que as relações gay ou lésbica são moralmente aceitável, em outra pesquisa da Gallup em maio. Apenas 39 por cento percebem as relações homossexuais como algo moralmente errado.

O The Christian Post tentou contato com Piper para comentar o assunto nos dias seguintes à passagem do casamento gay em Nova York, mas foi dito que ele não comentaria sobre as notícias. O comentário de quinta-feira por Piper, foi a primeira vez desde o evento da semana passada que o pastor de Minneapolis diretamente abordou a questão.

Ele enfatizou que seu propósito ao escrever sobre a questão controversa "não é para montar uma política de contra-ataque".

Ele não acredita que este é o chamado da Igreja.

Em vez disso, Piper expressou seu desejo de "ajudar a Igreja a lamentar por estes dias. E a magnitude da agressão a Deus, e a sua imagem no homem".

Ele não apontou o pecado de imoralidade sexual em homossexuais somente, entretanto. Os heterossexuais são tão culpados.

Piper enfatizou que Jesus morreu pelos pecadores tanto heterossexuais e homossexuais para que eles possam ser salvos. Jesus, frisou, oferece "misericórdia surpreendente".

Mas ao invés de abraçar a salvação, milhares comemoraram o pecado no último fim de semana, lamentou.

"Os Cristãos sabem o que está vindo, não só porque vemos na Bíblia, mas por causa disso provamos o fruto da dor de nossos próprios pecados. Não escapamos da verdade que colhemos o que semeamos. Nossos casamentos, nossos filhos, nossas Igrejas, nossas instituições - todos eles são perturbados por causa de nossos pecados", escreveu ele.

“A diferença é: Choramos por nossos pecados. Não os celebramos. Voltamos para Jesus para o perdão e ajuda. Clamamos a Jesus, `que nos livra da ira vindoura (1 Tessalonicenses 1:10).`"

"E em nossos melhores momentos, choramos para o mundo."

A vitória em Nova York por ativistas dos direitos gays é esperada para impulsionar o movimento do casamento gay para frente. Eles já estão trabalhando para empulsioar a legislação semelhante em Maine e para derrotar uma medida que altera a Constituição para definir o casamento como entre um homem e uma mulher em Minnesota.

Em meio ao movimento de redefinir o casamento, Piper deixou claro que Jesus criou a sexualidade e "tem uma vontade clara de como deve ser vivida em santidade e alegria".

"Sua vontade é que um homem possa deixar pai e mãe e se unir à sua mulher, e que os dois se tornem uma só carne (Marcos 10:6-9). Nesta união, a sexualidade encontra seu significado designado por Deus, seja na unificação pessoal-física, representação simbólica, júbilo sensual, ou procriação fecunda."

No entanto, não há sinais do movimento casamento gay diminuindo. Com isso, Piper deixou os Cristãos com esta nota concluindo:

"Isso é o que estou escrevendo. Não a ação política, mas o amor para o nome de Deus e da compaixão para a cidade da destruição. `Meus olhos derramam rios de lágrimas, porque os homens não guardam a tua lei.` (Salmo 119:136). "

Audrey Barrick
Repórter do Christian Post

Um comentário:

Anônimo disse...

No fim dos Dias os verdadeiros cristãos serão encurralados como Ló em Sodoma e Gomorra.