quarta-feira, 8 de junho de 2011

Iraniana diz que lamenta não ser recebida por Dilma

Nobel da Paz de 2003, ativista Shirin Ebadi afirma que veio ao Brasil justamente para encontrar a presidente


Ela afirmou ainda que apenas queria mostrar agradecimento por mudança na atitude do governo sobre o Irã

Marina Mesquita / Folha de S. Paulo

A advogada e ativista de direitos humanos iraniana Shirin Ebadi, 63, ganhadora do Nobel da Paz em 2003, lamentou ontem a recusa de Dilma Rousseff em recebê-la e disse que o encontro com a presidente era a principal razão de sua visita ao Brasil.

"Eu só vim ver a presidente, queria agradecer pela ajuda dela no caso Sakineh. Vou ter de mandar uma carta", declarou.

A advogada se referia ao caso da iraniana Sakineh Ashtiani, acusada de adultério e de ter ordenado a morte do marido -a sentença não foi aplicada.

"Não queria falar de assuntos políticos [com Dilma]. Vim falar sobre direitos humanos e direitos das mulheres", disse Ebadi, figura emblemática da oposição ao presidente Mahmoud Ahmadinejad, em conversa com jornalistas na sede da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) de São Paulo.

A ativista manterá seus planos de ir a Brasília, onde espera ser recebida amanhã por Dilma. "A intenção ainda é encontrá-la", disse o representante de Ebadi no Brasil, Flavio Rassekh.

O governo brasileiro, no entanto, só confirmou encontros com o assessor especial da Presidência para assuntos internacionais, Marco Aurélio Garcia, e com o ministro das Relações Exteriores, Antônio Patriota.
O Palácio do Planalto deixou claro que a presidente estará em Blumenau (SC), o que foi considerado um sinal de que o governo brasileiro quer manter distanciamento da iraniana.

Segundo Rassekh, o governo iraniano pressionou o Itamaraty para evitar o encontro.

Dilma assumiu o governo prometendo reverter a política do antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva, em relação ao Irã, criticada por ser condescendente na questão dos direitos humanos.

Ao contrário de Lula, Dilma repudiou o Irã no Conselho de Direitos Humanos da ONU e fez duras críticas a Teerã pela condenação de Sakineh à morte.

Diante da aparente mudança na relação com o Irã, Shirin Ebadi acreditava que seria recebida por Dilma.

Shirin Ebadi fará palestra na capital paulista


Shirin Ebadi, Prêmio Nobel da Paz em 2003 e ativista de direitos humanos iraniana, participa no Brasil do ciclo de conferências Fronteiras do Pensamento. A Folha é parceira do evento.

Ela fará uma palestra em Porto Alegre, na segunda-feira, dia 13, e outra em São Paulo, terça-feira, dia 14.

Lançado em 2006, o Fronteiras do Pensamento já contou, em edições passadas, com mais de 80 palestras de intelectuais. Esta é a primeira edição na capital paulista.

Em SP, a conferência será realizadas na Sala São Paulo (praça Júlio Prestes, 16 -Luz), às 20h30.

Nenhum comentário: