quarta-feira, 1 de junho de 2011

Darwinismo moral: como nos tornamos hedonistas


Autor Benjamin Wiker

Este livro concentra-se em dois grandes pensadores: Epicuro e Charles Darwin. Segundo o autor, os dois se relacionam: Epicuro iniciou um movimento intelectual que Darwin aperfeiçoou. Entendê-lo é absolutamente essencial para compreender a cultura atual. Os que creem em Deus geralmente preocupam-se com o constante declínio moral da cultura ocidental. O que há apenas alguns anos era inaceitável é o estilo de vida alternativo de hoje e o estilo preferido de amanhã. Aborto, eutanásia, divórcio, preferência sexual e o abuso de drogas são apenas algumas das questões morais que sofreram enormes mudanças na percepção do público e que são sintomas de um mal mais obscuro e generalizado. E para compreendê-lo, o autor, além de explicar brilhantemente tanto a vertente epicurista — que dissocia Deus do mundo material — quanto a darwinista — que vê na seleção natural a bem-sucedida transferência das características benéficas pela procriação, disseca os princípios de cada uma e estabelece singulares relações entre elas.

Catálogo: Teologia
Assunto: Darwin
Coleção: Temas de Atualidade
Acabamento: Costurado
Número de Páginas: 456
Editora: Paulus
Ano: 2011

(capa original)

+

Do mesmo autor: Um mundo com significado: como as artes e as ciências revelam o gênio da natureza

Site oficial do autor

Entrevista com o autor sobre "Darwinismo moral"


dica do Osmar Neves

Um comentário:

Anônimo disse...

Tal como Epicuro, ao elaborar "sua" teoria Darwin ñ revelou nenhuma novidade. Na antiguidade vários filósofos formularam teorias ateístas e evolucionistas, que até hoje, e; nunca serão provados.
Darwin so reinventou a roda com mais firulas, que encantam o meio festivo falso-academicista.
O ateísmo e o evolucionismo vale como passa tempo. Mais nada!