terça-feira, 17 de maio de 2011

São Paulo sedia mostra de cinema árabe

Instituto da Cultura Árabe promove a 6ª Mostra Internacional Mundo Árabe de Cinema, entre os dias 17 e 29 de junho. Evento traz 15 filmes produzidos no Oriente Médio e Norte da África.

ANBA - Aurea Santos

A 6ª Mostra Internacional Mundo Árabe de Cinema acontece entre os dias 17 e 29 de junho, em São Paulo, e traz 15 filmes inéditos no Brasil, produzidos em países como Egito, Tunísia, Síria, Marrocos, Emirados Árabes Unidos, Iraque, Palestina, Argélia, entre outros. O evento é promovido pelo Instituto da Cultura Árabe (Icarabe) em parceria com o Sesc-SP, a prefeitura de São Paulo e a Cinemateca. A curadoria é da brasileira Nagila Guimarães e da tunisiana Dora Bochoucha.

“São filmes de jovens diretores. Cada um tem um diferencial”, diz Soraya Smaili, diretora Cultural e Científica do Icarabe, sobre os filmes que compõem a mostra. “O filme de abertura é o ‘Microphone’, de um diretor premiadíssimo (Ahmad Abdallah), que tem tudo a ver com esse momento (político do mundo árabe)”, diz. Microphone é o primeiro filme egípcio a receber o prêmio The Golden Tanit do Festival de Cartago, em 2010.

A abertura do festival será dia 16 de setembro, às 19h30, no CineSesc. Além deste espaço, os filmes do festival também estarão em cartaz nas salas do Centro Cultural São Paulo, da Cinemateca e da Matilha Cultural.

Entre os títulos que farão parte da mostra estão ainda Fora da Lei, de Rachid Bouchared, indicado ao Oscar 2011 como melhor filme estrangeiro; Filho da Babilônia, de Mohamad Al Daradji, nomeado em 2010 pela revista norte-americana Variety como o Cineasta do Ano do Oriente Médio; e Cidade da Vida, de Ali Mostafa, primeiro filme dos Emirados a ser distribuído internacionalmente.

Dos filmes dirigidos por mulheres, destaque para Segredos Enterrados, segunda produção da tunisiana Raja Amari, que participou dos festivais de Veneza e Abu Dhabi; Um a Zero, de Kamla Abu Zekri, campeão de bilheteria no Egito e em festivais internacionais; e Todo Dia é Feriado , o primeiro longa-metragem de Dima El Horr, que mistura política e surrealismo.

Há também três documentários entre os títulos da mostra: VHS Khaloucha, de Néjib Belkadhi, comédia sobre um cineasta amador que produz longa-metragens em VHS; Port of Memory, filme palestino, e Reciclar, do diretor Mahmoud Al Massad, que revela o ambiente social gerador de terroristas e imigrantes.

No último dia do evento, a curadora Dora Bochoucha e sua colega tunisiana Lina Menzli, ambas produtoras do filme Segredos Enterrados, participarão de um encontro com o público. “Elas vão falar sobre o momento que a Tunísia está passando, desde o início das revoltas até agora, e sobre esta conjuntura”, destaca Soraya. Elas abordarão também temas como a arte de fazer cinema no mundo árabe, as produções árabes atuais e o mercado cinematográfico. Dora é consultora do Festival de Veneza, na Itália, e diretora do Festival de Cartago, na Tunísia. O encontro acontece às 20h30, na Cinemateca.

Mais informações sobre a mostra podem ser encontradas no site http://www.icarabe.org.br/ 

Nenhum comentário: