segunda-feira, 9 de maio de 2011

Mensageiro do Ódio

por Maria Lucia Victor Barbosa

O brutal atentado ocorrido em 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos mostrou ao mundo de modo ampliado uma das faces mais temidas da violência: o terrorismo. Ao susto e à dor provocados pelo covarde ataque às Torres do World Trade Center e ao prédio do Pentágono, no qual centenas de norte-americanos e estrangeiros, entre os quais quatro brasileiros, morreram de modo pavoroso, seguiram-se intensamente, pelo menos no período imediato ao hediondo ataque, o medo e a insegurança. Justamente sobre esses dois sentimentos o terror lança tentáculos para produzir a dominação sobre suas vítimas.

Viver com medo é tornar-se escravo e foi esta escravidão psicológica que o monstruoso Osama Bin Laden, misto de fanático e psicopata, prometeu aos Estados Unidos por ele chamado de “Grande Satã”. O profeta do caos alardeou que faria chover aviões sobre aquele país e volta e meia, para escarnecer dos norte-americanos que durante quase dez anos o procuraram em vão, tornou-se o mensageiro do ódio através de mensagens gravadas em áudio e divulgadas, principalmente, pela rede de TV Al-Jazeera.

Em algum lugar que não se sabia onde a figura sinistra do criador do Al-Qaeda (a base) em 1988, sobreviveu por muito tempo depois do atentado de 11 de setembro de 2001, lembrando que o terror significa a tensa espera de um inimigo que ataca sem se fazer anunciar e em lugares inesperados.

O milionário saudita, que na expressão de Giles Lapouge era “a quintessência do islamismo mais enlouquecido”, foi responsável por inúmeros atentados e pela morte de centenas de pessoas inocentes Entre seus seguidores estavam Jihadistas islâmicos, mujahedins (jihadistas de origem iraniana), terroristas radicais antissemitas, o que significa que sua guerra santa era também contra os judeus, algo que faz lembrar a figura também abjeta do iraniano Ahmadinejad cuja meta é destruir Israel.

A recente morte de Bin Laden, em 1 de maio, numa operação espetacular do governo norte-americano livrou, portanto, o mundo de um desses monstros que de quando em quando assombram a humanidade. Mas, se nos Estados Unidos houve alívio e euforia, entre os fundamentalistas islâmicos houve choro e ranger de dentes.

Manifestações de veneração, admiração e carinho pelo genocida Bin Laden não faltaram também entre antiamericanos, antissemitas e esquerdistas de todo mundo. Logo apareceram defensores dos direitos humanos que não foram vistos quando despencaram as Torres Gêmeas em Nova York. E há os que se apiedaram do pobre terrorista, como se numa guerra os que tombam não soubessem que nela estão para matar ou morrer. Na mesma linha de defesa do criminoso e crítica aos Estados Unidos é dito que esse país invadiu o Paquistão. Ora, o Paquistão é aliado do governo norte-americano para combate ao terrorismo e para isto recebe milhões de dólares. Portanto, se alguém falhou foi o governo paquistanês, pois Bin Laden morou por longo tempo na cidade paquistanesa de Abbottabad, quase dentro de um quartel general.

Na América Latina, onde os Estados Unidos são também odiados, houve curiosas manifestações. Na Argentina dois homens de nome Musa Isa e Santiago Torres expressaram através de jornal seus profundos pêsames à família do terrorista. No Brasil, um vereador gaiato da cidade de Anápolis (Goiás) pediu na Câmara um minuto de silêncio em homenagem ao companheiro Bin Laden. Só falta pedir a canonização de Bin Laden juntamente com Hitler.

Discute-se muito no momento se com a morte do líder globalizado e símbolo máximo do Al Qaeda haverá ou não revanches ensandecidas de seus seguidores contra os Estados Unidos e outros países.

Provavelmente haverá, pois existem franquias da rede terrorista no Norte da África e no Oriente Médio. E outros grupos como o Lashkar-i-Taiba ou o Taleban continuarão a matar os que considerem como infiéis. Ao mesmo tempo, se é certo que Bin Laden não exercia mais o comando operacional do Al-Qaeda, sendo da organização figura mitológica e inspiradora, outros na hierarquia podem dar sequência aos atos de terror.

De qualquer modo, a morte do líder deve ter causado grande dano psicológico aos seus seguidores, em que pese sua lembrança maligna continuar a influenciar os que são recrutados em nome da ideologia que veta ódio ao ocidente e da fé fundamentalista islâmica.

O Brasil, país da impunidade e da moralidade frouxa, tem predileção por bandidos, pois aqui se abrigam desde o terrorista italiano Cesare Battisti até membros das Farc. Para piorar e conforme reportagem da Veja de 6 de abril deste ano, “a Polícia Federal tem provas de que Al Qaeda e outras quatro organizações extremistas usam o país para divulgar propaganda, planejar atendados, financiar operações e aliciar militantes”. Desconheço se o governo brasileiro desmentiu a reportagem ou tomou providências.

Na tragédia da escola de Realengo, no Rio de janeiro, quando um ex-aluno matou doze adolescentes, a causa do ato tresloucado foi atribuída a mente perturbada do rapaz e no péssimo exemplo que vem dos Estados Unidos. Curiosamente, Wellington de Oliveira sonhava jogar um avião contra o Cristo Redentor para relembrar os aviões que foram atirados nas Torres Gêmeas em Nova York. Em uma das fichas da escola quando era estudante, ele escreveu que sua religião era mulçumana. Em anotações encontradas na sua bolsa havia o relato de que passava umas quatro horas por dia lendo o Alcorão e que meditava sobre o atentado de 2001. Finalmente, pede em carta um ritual de sepultamento que lembra ritos mulçumanos. Nada disso foi levado em conta para explicar sua atitude.

O presidente Barack Obama agiu certíssimo, mas seria bom que desse uma prova contundente de que o mundo está mais arejado sem o mensageiro ódio. Caso contrário, Bim Laden ficará tão vivo quanto Elvis que não morreu.

Maria Lucia Victor Barbosa é socióloga.

Nenhum comentário: