domingo, 15 de maio de 2011

Dossiê acadêmico: Santo Tomás de Aquino



Teses e dissertações sobre o expoente máximo da filosofia Escolástica


1) O conceito de ciencia em Tomas de Aquino : uma apresentação da Expositio libri Posteriorum (Comentario aos Segundos Analiticos)


Tese de Doutorado, defendida por Anselmo Tadeu Ferreira na Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas


Esta tese tem como objeto o Comentário de Tomás de Aquino aos Segundos Analíticos de Aristóteles (Expositio libri Posteriorum). O objetivo é fazer uma apresentação do texto, mostrando como Tomás articula os temas principais do trabalho aristotélico, utilizando o método da divisão literal (divisiones litterae), em que o texto é dividido e comentado linha por linha. De propósito principalmente didático, o texto é dividido por Tomás em 5 grandes partes, nas quais também se divide nosso trabalho. Na primeira parte, introdutória ao comentário propriamente dito, há uma reflexão geral sobre a lógica; na segunda parte, uma caracterização do silogismo demonstrativo, que é o silogismo que produz ciência ou conhecimento científico; na terceira parte, a determinação sobre o silogismo demonstrativo, na qual se examinam os seus elementos constitutivos, isto é, que o silogismo demonstrativo se constitui de princípios universais, próprios, necessários e por si; em seguida, examinam-se os elementos a partir dos quais a conclusão é obtida, isto é, o mediador e os princípios indemonstráveis, sendo que essas duas partes são o tema do livro II dos Segundos Analíticos. A partir da exposição de Tomás, podemos ver surgir a sua concepção a respeito da ciência, como conhecimento causal, verdadeiro e necessário, construído a partir de premissas verdadeiras, primeiras e imediatas em si mesmas e anteriores, mais conhecidas e causas em relação à conclusão. Por meio de tal processo meticuloso de construção silogística, ele acredita que podemos obter conhecimento não apenas formalmente verdadeiro, mas verdadeiro também quanto à realidade cognoscível, o que está em perfeito acordo com o realismo do autor do Comentário


Clique aqui para o texto completo [pdf / 277p.]


2) O conceito de sinderese na moral de Tomas de Aquino


Tese de Doutorado defendida por Carlos Alberto Albertuni na Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Filosofia e Ciencias Humanas


Trata-se de uma investigação sobre a teoria dos primeiros princípios da razão prática na obra de Tomás de Aquino. No centro desta teoria está o termo 'sindérese', cujo conteúdo foi elaborado nas discussões da filosofia e da teologia medievais, a partir de sua menção na Glosa de Jerônimo a Ezequiel. Tal termo designa um conceito que apresenta um caráter inovador dentro da teoria da ação moral em comparação com a ética aristotélica, pois Tomás de Aquino o entende como o hábito dos primeiros princípios da moral, equivalente ao hábito dos primeiros princípios teóricos (intellectus principiorum) de Aristóteles. Dessa forma, o interesse é compreender como o conceito de sindérese é desenvolvido dentro da filosofia moral de Tomás de Aquino, visando detectar a estrutura conceitual na qual se localiza e se relaciona com outros conceitos importantes de sua filosofia moral, tais como, consciência, lei natural e prudência


Clique aqui para o texto completo [pdf / 257p.]


3) A noção do belo em Tomás de Aquino


Tese de Doutorado, defendida por Andrey Ivanov na Universidade Estadual de Campinas . Instituto de Filosofia e Ciências Humanas


Este trabalho trata de explicitar a noção e a essência do belo com base nos textos de Tomás de Aquino. A abordagem se limita à compreensão de partes integrantes das duas definições do belo formuladas por Tomás e de noções conexas. Entretanto, os textos são muito fragmentados e não sistematizados, e as interpretações dos comentadores apresentam freqüentemente contradições. A hipótese do trabalho é a de que as duas definições do belo se implicam reciprocamente, e de modo paralelo e complementar a de que Tomás de Aquino, em seus textos, embora fragmentados, esboça uma teoria coerente acerca do belo. Inicialmente, fazemos a resenha das interpretações mais relevantes e, em seguida, o levantamento dos principais textos de Tomás. Há duas análises distintas nestes textos: uma do ponto de vista ontológico e outra do ponto de vista psicológico implicada na comparação entre o belo e o bem, que estabelecem respectivamente duas definições: a definição descritiva intrínseca e a definição descritiva do efeito. A primeira indica as propriedades inerentes ao belo, ao passo que a segunda exprime o prazer na apreensão. Na continuação, propomos a gênese da noção do belo, dividida em gênese conceitual e gênese empírica. A gênese conceitual consiste em uma demonstração pelas causas, pelo que é a priori na noção ou determinação do belo, e se limita à compreensão da definição intrínseca; a gênese empírica, da qual é fornecida apenas uma sinopse, consiste em uma demonstração pelos efeitos, pelo que é a posteriori, e se limita à compreensão da definição do efeito. Finalmente, fazemos a síntese dos resultados e a crítica às interpretações resenhadas no início. Os resultados principais confirmam a implicação mútua das duas definições e a coerência interna da teoria de Tomás. Os resultados secundários evidenciam que a definição intrínseca do belo comporta mais elementos do que aqueles mencionados pelos intérpretes, e que a potência ou faculdade cogitativa é fundamental para a apreensão do belo.


Clique aqui para o texto completo [pdf / 163p.]




4) Onipotência divina segundo Santo Tomás de Aquino.


Tese de Doutorado, defendida por Lúcio Souza Lobo na Universidade Federal do Rio Grande do Sul


Resumo não disponível.


Clique aqui para o texto completo [pdf / 139p.]


5) Visão aristotélico-tomista da justiça social e da justiça distributiva: parâmetros deontológicos e de concretização dos direitos sociais.


Tese de Doutorado, defendida por Ricardo dos Santos Castilho na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo


A presente tese objetiva discutir os conceitos de Justiça Social e Justiça Distributiva, como idéias que justificam a declaração e a efetivação dos direitos sociais. A partir da análise da evolução dos conceitos, desde as teorias da justiça de Aristóteles e Tomás de Aquino até a Doutrina Social Católica, no início do século XX, este trabalho pretende discutir a estrutura da Justiça Social e da Justiça Distributiva no âmbito das contemporâneas sociedades democráticas. Estudar-se-ão também detalhes da relação jurídica criada entre os indivíduos, a sociedade e o Estado, bem como o objeto destes conceitos, identificado com um nível mínimo de bens materiais e imateriais, em consonância com o princípio da dignidade da pessoa humana


Arquivo com conteúdo liberado somente para a comunidade da Universidade ou Retido por motivo de patente requerido pelo autor


6) A alma espiritual como forma substancial do corpo no ser humano segundo Tomás de Aquino


Dissertação de Mestrado, defendida por Monica von Oertzen na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo


A alma humana, como substancia espiritual, tanto em seu ser como em suas operações, se une ao corpo enquanto forma e, assim, confere ao homem sua vida vegetativa, sensitiva e intelectiva. A alma como ato primeiro faz ser; assim, por esse ato primeiro, o vivente pode exercer seus atos segundos, como as funções vitais e as potencialidades operativas. Mas este principio pelo qual vivemos, sentimos e conhecemos, só se revela por suas operações. Para a alma, se conhecer, assim como as disposições que estão nela, seja por sua essência, ou por seus atos, o homem, enquanto criatura, passa necessariamente pela consciência da realidade material concreta. Entre a tendência espiritualista, que se caracteriza em ver o homem enquanto alma racional e o corpo como cárcere desta, e do outro lado a tendência materialista de ver o homem enquanto corpo, a antropologia tomista concebe o homem como composto de corpo e alma, matéria e espírito. Tomás de Aquino, dentro de uma análise ontológica do real sensível, estabelece a partir da unidade substancial entre o corpo e a alma, a possibilidade de observar o movimento exterior do corpo, como sinais de sua estrutura profunda, onde as sensações, memórias, sentimentos, desejos e pensamentos estão entretecidos e refletidos no modo de agir deste. O ser inteligível envolvido na existência sensível. Através da unidade substancial, o corpo não é sombra, mas espelho da alma, pois ao observá-lo, este reflete seu estado interior. O corpo não é apenas matéria, mas potência para que se transformem as privações em novos atos de ser. Sua unidade não é o fardo do pecado original, mas o mistério da sua redenção.


Arquivo com conteúdo liberado somente para a comunidade da Universidade ou Retido por motivo de patente requerido pelo autor


7) Aspectos educacionais da obra de Santo Tomás de Aquino no contexto escolástico universitário do seculo XIII.


Dissertação de Mestrado, defendida por Tatyana Murer Cavalcante na Universidade Estadual de Campinas . Faculdade de Educação


Investigar aspectos educacionais da obra de Santo Tomás de Aquino e, notadamente, o papel do mestre no ensino constituem o objetivo deste trabalho. Para a explanação considerou-se fundamental abordar as matrizes teóricas do autor, bem como a relação entre seus escritos e os fatores históricos que os circunscrevem. O texto parte da investigação do tratamento conferido pelos autores de manuais de história da educação à educação medieval e a Santo Tomás de Aquino, para, em seguida, centrar-se nos pontos peculiares mas, no entanto, pouco aprofundados nos referidos manuais: universidade e escolástica no século XIII, especialmente na Universidade de Paris. Tomando a escolástica enquanto disputa doutrinal, explanam-se três textos do Aquinate, de crucial importância à educação e ao ensino, reinserindo o autor no contexto escolástico. Entende-se que o conflito doutrinal que Santo Tomás resolve, não diz respeito à conciliação entre Santo Agostinho e Aristóteles, mas às contradições do século XIII, no qual razão e fé são fundamentais. A educação tomasiana é totalmente vinculada à sua "teologia filosofante"; em ambas valoriza-se a atividade humana enquanto necessária à bem-aventurança


Clique aqui para o texto completo [pdf / 134p.]


8) O comentário de Tomás de Aquino ao Livro I do "De Anima" de Aristóteles


Dissertação de Mestrado defendida por Getulio Pereira Junior na Universidade Estadual de Campinas . Instituto de Filosofia e Ciências Humanas


O trabalho consiste em uma tradução dos capítulos 1-4 do Livro I do Comentário de Tomás de Aquino ao De Anima de Aristóteles. A tradução é acompanhada de uma breve introdução ao texto. Nela apresentou-se um pouco da trajetória tanto do texto de Aristóteles como do comentário feito por Tomás de Aquino. Por fim, apresentou-se na introdução um breve resumo dos temas tratados nos quatro capítulos traduzidos, bem como procurou-se destacar aspectos que julgamos relevantes em relação ao texto.


Clique aqui para o texto completo [pdf / 102 p.]


9) O conceito de existência na metafísica de São Tomás de Aquino


Dissertação de Mestrado, defendida por Mauro Godoy Prudente na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul


Esta dissertação tem como principal objetivo examinar aquele que pode ser considerado o termo fundamental da semântica tomista: o conceito de existência. O Aquinate, em sua Teologia natural, utiliza os termos Deus e Existência como estritamente sinônimos. Desse modo, cabe evidenciar os aspectos mais importantes de sua reflexão metafísica, a fim de chegar ao conceito de Deus como A Existência (Ipsum esse subsistens). São Tomás, para atingir esse resultado, deve demonstrar que, se todos os entes acessíveis à percepção humana existem por outro (ab alio), então deve haver pelo menos um ser que exista por si (ens a se). É este ser que responde pela causa primeira de tudo o mais que se possa afirmar, com verdade, que exista, no sentido forte do termo.


Clique aqui para o texto completo [pdf / 113p.]


10) A concepção de lei natural em Tomás de Aquino


Dissertação de Mestrado, defendida por Edvaldo Rene Missio na Universidade Estadual de Campinas . Instituto de Filosofia e Ciências Humanas


A doutrina da lei e do direito natural tem uma longa tradição na cultura ocidental. Remontando ao pensamento grego e recebendo uma contribuição significativa dos romanos, adquiriu um notável impulso e projeção com a fundamentação teológica e desenvolvimento filosófico que lhe deram os autores cristãos, entre eles Tomás de Aquino. O objetivo deste trabalho, nesta direção, é apresentar a doutrina de Tomás de Aquino sobre a lei natural exposta nas questões sobre a lei (q.90- 108), na Ia. IIae. da Suma de Teologia. A partir de um apanhado sobre a lei em geral (de lege in communi - definição, diversidade, aplicabilidade), o estudo concentra-se na concepção de lei natural (q.94), objetivando esclarecer sua essência ou natureza, objeto, conteúdo e propriedades e sua devida articulação com a lei divina e a lei humana. Justifica-se a pesquisa em função de sua importância histórica e pelo fato de que o tema atualmente constitui objeto relevante de discussão entre teólogos, filósofos e juristas.


Clique aqui para o texto completo [pdf / 135p.]


11) Contradição e determinismo : um estudo sobre o problema dos futuros contingentes em Tomás de Aquino


Dissertação de Mestrado, defendida por Ana Rieger Schmidt na Universidade Federal do Rio Grande do Sul


A presente dissertação investiga a interpretação de Tomás de Aquino ao problema dos futuros contingentes, relativo ao capítulo 9 do tratado De Interpretatione, de Aristóteles. O objetivo central é explicar qual a função do termo "determinate" na interpretação de Tomás. Para isso, reconstrói a noção aristotélica de proposição como uma atividade enunciativa, assim como investiga o Livro Gama da Metafísica, o qual defende os princípios de não contradição e terceiro excluído. Nesse percurso, chama a atenção para o fato de que, do ponto de vista da proposição, as formulações sintáticas dos princípios metafísicos são primeiras em relação às semânticas. Com isso, pretende identificar uma distinção entre as condições de sentido de uma proposição e a atribuição de um valor verdade e, através de tal distinção, propõe uma leitura para a solução de Tomás de Aquino ao problema referido. Conclui que a oposição contraditória como exclusiva e exaustiva é uma tese logicamente anterior à caracterização da proposição como bivalente ou determinadamente verdadeira ou falsa.


Clique aqui para o texto completo [pdf / 119p.]


12) A encruzilhada das idéias : aproximação entre a Legenda Áurea (Iacopo Varazze) e a Suma Teológica (Tomás de Aquino)


Dissertação de Mestrado, defendida por Igor Salomão Teixeira na Universidade Federal do Rio Grande do Sul


Esta dissertação é uma análise sobre dois caminhos de atuação religiosa da Ordem dos Dominicanos na segunda metade do século XIII, ou seja, a pregação e a cultura escolar. A partir de aproximações entre a Suma Teológica (ST), de Tomás de Aquino, e a Legenda Áurea (LA), de Iacopo da Varazze, o trabalho visou aspectos pontuais na historiografia referente ao caráter "arcaico" - ou à falta de novidades - na obra de Iacopo e consistiu numa discussão sobre os pecados e as virtudes. As relações estabelecidas entre a LA e a ST foram desenvolvidas sob duas perspectivas: estrutural e interpretativa. A primeira foi desenvolvida nos capítulos 1 e 3 da seguinte forma: 1) a estrutura do encadeamento de argumentos nas narrativas (LA) e nas Questões (ST) sobre Cristo; 3) a constatação de argumentos idênticos nas narrativas e referências sobre a Virgem Maria. A perspectiva interpretativa foi realizada no capítulo 2 sobre possibilidades de se aproximar o discurso de Tomás de Aquino com o de Iacopo da Varazze acerca da prostituição. Procurou-se, com isso, relativizar o uso do termo "arcaico" e sua inaplicabilidade para obras da Idade Média como a ST e a LA que reconheciam a tradição como autoridade. Esta relativização foi proposta com uma análise sobre o Tratado dos Vícios e dos Pecados na obra de Tomás. Acredita-se, portanto, que pregação e cultura escolar não assumem caminhos muito distintos, pois ambos os autores recorreram à vasta tradição do cristianismo tanto para enriquecer quanto para endossar os argumentos apresentados em seus textos. O uso desta tradição e o pertencimento a uma mesma Ordem também são aspectos que não podem ser negligenciados, pois, como Dominicanos, Tomás e Iacopo passaram por processos parecidos de formação escolar, litúrgica e teológica. Neste sentido, Iacopo e Tomás não podem ser analisados sob o prisma do binômio arcaico/moderno, ao menos em relação aos pecados e as virtudes. Se a LA deixa de ser tão arcaica em relação a ST no que tange apenas ao discurso sobre esses temas é um questionamento para outras investigações e faz-se necessária a construção de novos objetos comparáveis.


Clique aqui para o texto completo [pdf / 166p.]


13) Um estudo sobre a verdade na Suma de Teologia de Santo Tomas de Aquino


Dissertação de Mestrado, defendida por Lucia Sant Anna na Universidade Estadual de Campinas . Instituto de Filosofia e Ciências Humanas


O presente trabalho versa sobre a questão da verdade na Suma de Teologia de Santo Tomás de Aquino, procurando levantar os principais aspectos de sua doutrina sobre esse ponto. Com esse fim, após uma breve apresentação geral da obra, faz-se um comentário literal da questão 16 da primeira parte da Suma; em seguida, apresentam-se os aspectos levantados sobre a verdade nessa questão, a saber, a relação necessária entre verdade e intelecto e entre verdade e Deus.


Clique aqui para o texto completo [pdf / 100p.]


14) O mal no universo segundo Santo Tomás de Aquino


Dissertação de Mestrado, defendida por Napoleão Schoeller de Azevedo Júnior na Universidade Federal do Rio Grande do Sul


Resumo não disponível.


Clique aqui para o texto completo [pdf / 108p.]


15) Os vestígios de Deus no espelho do mundo : um estudo sobre o conhecimento de Deus e a significação dos nomes divinos na Suma Teológica de Santo Tomás de Aquino


Dissertação de Mestrado, defendida por Antônio Augusto Caldasso Couto na Universidade Federal do Rio Grande do Sul


Resumo não disponível.


Clique aqui para o texto completo [pdf / 150p.]


16) A beatitude na filosofia moral de Tomás de Aquino [incluído em 17/12/2011]


Tese de doutorado, defendida por Nadir Antonio Pichler na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul


O propósito desta pesquisa, de caráter analítico e sintético, é investigarmos a natureza da beatitude na filosofia moral de Tomás de Aquino. Fundamentado principalmente nos tratados da Summa contra gentiles, Summa theologiae, Super Boetium de Trinitate e Compendium theologiae, analisaremos a busca da beatitude humana pela contemplação do objeto supremo, Deus, origem, razão e fim último das criaturas. De acordo com esse itinerário, defenderemos a tese de que é impossível nesta vida alcançar a beatitude perfeita pela contemplação da essência divina. Só é possível conhecer, seja por meio da razão natural seja pela revelação, os efeitos de Deus, almejando somente uma beatitude imperfeita, ficando a perfeita para a outra vida. Diante disso, estruturamos o texto em três capítulos. No primeiro, abordaremos a síntese filosófico-teológica, inserindo a busca pela beatitude no contexto da filosofia do ser, porque o ser, Deus, sustenta toda a estrutura do edifício tomista. Depois, sobre os pressupostos da filosofia moral e a natureza da alma intelectiva. No segundo, sobre os fundamentos da beatitude imperfeita, seguindo a divisão da vida humana em ativa e contemplativa. Por meio desta, pela virtude da sabedoria, o Aquinate procura elevar a alma intelectiva do sábio à verdade mais inteligível, transcendente e eterna, Deus. No terceiro, analisaremos as possibilidades e os limites contemplativos de Deus nesta vida, iniciando a reflexão sobre os atributos de Deus oriundos pelo conhecimento dos efeitos sensíveis, ou seja, a posteriori. Após isso, adentraremos nas propriedades específicas da contemplação da essência divina, apresentando os argumentos decisivos de Tomás de Aquino para justificar a impossibilidade da beatitude perfeita neste mundo.


Clique aqui para o texto completo [pdf / 107 p.]


17) Necessidade e possibilidade da prova da existência de Deus na filosofia de Tomás de Aquino [incluído em 17/12/2011]


Dissertação de mestrado, defendida por Roberta Crivorncica na Universidade de São Paulo


A questão da existência de Deus acompanha o desenvolvimento intelectual de Tomás de Aquino e tem papel central em sua Suma de Teologia, na qual o filósofo desenvolve sua resposta através das conhecidas cinco vias para a prova da existência de Deus. O objetivo desta dissertação é percorrer o caminho traçado por Tomás de Aquino para chegar às cinco vias, mostrando a necessidade e a possibilidade da prova da existência de Deus como sujeito da Doutrina Sagrada. 


Clique aqui para o texto completo [pdf / 90 p.]


18) Negatividade e participação: a influência do Pseudo Dionísio Areopagita em Tomás de Aquino - teologia, filosofia e educação [incluído em 17/12/2011]


Tese de doutorado, defendida por Roberto Carlos Gomes de Castro na Universidade de São Paulo


Este trabalho sustenta que o teólogo cristão do início do século VI conhecido como Pseudo Dionísio Areopagita exerce profunda influência no pensamento do teólogo e filósofo medieval Tomás de Aquino (1225-1274). Essa influência se dá principalmente em dois temas fundamentais da filosofia tomasiana: negatividade e participação. Negatividade diz respeito ao caráter de mistério que envolve as essências mais íntimas dos seres desde a natureza visível e o homem até o princípio de todas as coisas, Deus e que, portanto, não são plenamente compreensíveis para o entendimento humano. Participação se refere ao fato de que, por outro lado, o mundo participa do ser de Deus e, por isso, revela traços do divino, ainda que de modo deficiente e remoto. Dada essa influência de Dionísio, Tomás de Aquino não pode ser considerado um pensador racionalista, com respostas definitivas para todos os problemas da existência, como costuma ser visto por epígonos o que constitui uma deturpação do pensamento tomasiano, marcado pela consciência da insuficiência da razão. Para Tomás, não é possível aos homens ter clareza absoluta sobre qualquer assunto, daí, por exemplo, a necessidade de eles se conduzirem segundo a clássica doutrina cristã da prudência a virtude de agir corretamente, com base no límpido conhecimento da situação presente. Tendo em vista a negatividade e a participação, para o acesso às realidades mais profundas impõe-se o uso de metáforas, alegorias e símbolos, capazes de algum modo de se aproximar do que, afinal, é incognoscível. No que se refere ao conhecimento de Deus, a via de acesso é a mística entendida como uma experiência com o Absoluto que se dá num plano além da razão, e não aquém , uma vez que todo discurso racional, afinal, fala mais do homem do que de Deus. Como conclusão, este trabalho propõe que o pensamento negativo do Pseudo Dionísio Areopagita e de Tomás de Aquino precisa ser mais conhecido também por educadores, pois ele permite uma visão diferente da realidade, uma visão menos lógico-racionalista que tantos problemas tem trazido à sociedade contemporânea e mais sensível, lúdica e profunda, portanto, mais humana. No anexo, é apresentada a tradução, direta do original grego, do livro Da teologia mística, do Pseudo Dionísio Areopagita. 


Clique aqui para o texto completo [pdf / 192p.]



Informação livre: Copie, imprima, distribua, envie por email, carta, fax, rádio, TV. Mantenha o texto e os créditos na íntegra.

Um comentário:

Anônimo disse...

Parabéns Blogueiro. Um exemplo de que a alta cultura não se perdeu de todo em terra de Banânia.
Obrigado.