segunda-feira, 25 de abril de 2011

A burca

Você é contra ou a favor da lei francesa que proíbe o uso de burca e niqab em público? Eu sou a favor!

Luiz Felipe Pondé - Folha de S. Paulo

VOCÊ É contra ou a favor da nova lei francesa que proíbe o uso da burca e niqab (véu que só deixa os olhos de fora) em espaços públicos?

Alguns consideram essa lei parte da islamofobia. Outros, manipulação demagógica de Nicolas Sarkozy para ganhar votos da direita xenófoba. Outros ainda fazem "conta" de quantas muçulmanas usam burca ou niqab hoje na França, como se a questão fosse parada no tempo e não implicasse a mobilidade de hábitos privados e públicos que se dá ao longo do tempo e não numa estatística congelada.

Outros veem nesta lei um ato de intolerância com hábitos religiosos e opinam que as pessoas devem ter o direito a seus hábitos religiosos. Eu também acho que devemos ter direito a nossos hábitos religiosos, mas a coisa é mais complexa do que simplesmente "eu acredito em Jesus, você em Elvis, ela em ET, ele em Maomé, mas podemos ser amigos, tá?"

Outra coisa que me chama atenção é que muita gente, que é contra a lei porque a considera um preconceito contra o islamismo, não teria pruridos em defender a retirada do crucifixo dos prédios públicos ou mesmo de criticar duramente hábitos cristãos no ocidente. Qualquer um pode falar mal do cristianismo e do judaísmo porque pega bem, mas emitir qualquer juízo com relação às outras religiões fica parecendo preconceito.
De minha parte, sou a favor da lei francesa e acho que, sim, não se deve permitir o uso de burcas e niqab (e orações no meio da rua) em países que buscam o convívio secular como modo de vida legítima.

A "substância" que sustenta minha simpatia pela lei francesa vem de longe. Vem de Israel e da experiência razoável que tenho por conta de ter vivido naquele país por duas vezes e de ter ido lá desde 1980 inúmeras outras, além de conhecer muita gente de lá, e de parte dessa gente ser de profissionais da área acadêmica e intelectual.

Há um significativo crescimento da população ortodoxa em Israel nos últimos anos. Digo "ortodoxa" de maneira genérica para falar de pessoas que pressionam a sociedade como um todo no sentido de aceitar preceitos religiosos como leis e regras de conduta social. Ortodoxia aqui é sinônimo de radical.

A luta em Israel contra as pressões dos religiosos radicais sobre o cotidiano dos não religiosos (seculares) tem sido árdua. Sempre fui um fiel defensor de uma Israel secular, com todas as contradições que isso implica. Adoro Israel e não quero vê-la na pele de uma horrorosa teocracia.

Além do ódio que os árabes nutrem contra Israel (mesmo que ingênuos achem que não), há mais um agravante no caso israelense porque sua fundação como Estado judeu implica uma identidade que sempre resvala em crenças religiosas.

Não há nenhuma forma fácil de sustentar a identidade judaica ao longo dos séculos sem o amparo da crença religiosa como critério de convivência, de casamento e de criação dos filhos.

Sem a crença religiosa, qualquer "limite" imposto ao critério de escolha para uma "convivência judaica" resvala no risco de mera discriminação cultural ou racial.

E o que isto tem a ver com minha simpatia pela lei francesa? Tudo a ver.

Grande parte dos muçulmanos não pratica bem a separação entre religião e sociedade ou Estado, assim como "seus irmãos" ortodoxos em Israel. E esses caras não valorizam em nada a ideia de "tolerância". O que os mantém "quietos" é ser minoria.

O crescimento da população islâmica na França tem que ser pautado por um "limite prático" contra a invasão do espaço público por regras religiosas.

Recentemente, uma jovem muçulmana francesa, citada nesta Folha, criticou a lei porque "confundia coisas do governo com coisas de Alá". É uma prova cabal de que essa moça não sabe o que é secularismo e precisa aprender: não há "coisas de Alá" quando falamos de leis ou regras públicas na França.

Não se trata apenas de mal-estar com o crescimento do islamismo na Europa, se trata de mal-estar com a presença pública de formas do fundamentalismo religioso.

O problema não é a mulher sob a burca, mas o forte viés teocrático que cobre essa mulher com a burca.

Nenhum comentário: