quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Documentário promove um encontro entre descendentes de nazistas e vítimas do Holocausto

Filme do cineasta israelense Chanoch Zeevi deve ser lançado no final do ano

Reunir sobreviventes do regime nazista de Adolf Hitler e descendentes de militares que executavam as ordens da hierarquia do Terceiro Reich não foi tarefa fácil para o cineasta israelense Chanoch Zeevi, que teve os avós mortos no Holocausto. Depois de muitos nãos e de telefonemas que acabaram sendo desligados na "cara dele", Zeevi produziu um documentário no qual promove um encontro entre os dois lados que sofrem as consequências do nazismo. Hitler's Children (Crianças de Hitler) deve ser lançado no final do ano.

Emoção não falta nos depoimentos compilados no depoimento. Familiares de militares contam como se sentem envergonhados, responsáveis pelo Holocausto e revelam como descobriam a verdade sobre o trabalho de seus familiares. Uma das personagens é Bettina Göring que fez uma cirurgia para ficar estéril para não perpertuar o DNA que herdou do tio-avô, o ex-militar Hermann Göring.

Depois de ouvir o lado de filhos, netos e sobrinhos dos atores do regime militar de Hitler, o espectador é confrontado com o outro lado, o dos sobreviventes. Pela primeira vez publicamente, as gerações pós-geira se encontram. O cenário do encontro é Auschwitz, um dos principais campos de concentração, no Sul da Polônia.

Zeevi conta que não foi fácil encontrar personagens que se dispusessem a participar do encontro. Ele acredita que ainda há pessoas que se orgulham do passado e defendem os ideiais nazistas.

Crítica

Zeevi acredita que Hitler's Children será bastante criticado em Israel porque aborda não só as vítimas do nazismo, mas também as pessoas adeptas do regime.

— Eu quase nunca ouvi nenhuma história do lado nazista, qual era seu papel exato, qual eram suas responsabilidades e quanta influência Hitler tinha sobre eles. Na minha cabeça, não é possível entender o Holocausto sem tentar ver de onde vieram as raízes do mal e como elas cresceram.

Fonte: Diário Catarinense

Nenhum comentário: