terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Mais de 1.300 crimes anti-religiosos nos EUA em 2009

Judeus são as principais vítimas de ataques, mas números totais são baixos, conclui relatório do FBI.


As forças policiais americanas registaram 1.376 episódios de violência anti-religiosa ao longo de 2009, anunciou esta semana o FBI. Apenas 9,3% do total dos incidentes visou muçulmanos, o que em números reais se traduz em 128 incidentes.

Os dados recolhidos pelo FBI, com base em números fornecidos por mais de 14.000 agências policiais, desmentem a ideia de que o anti-islamismo esteja a crescer naquele país. O relatório refere que foram construídas cerca de 700 mesquitas no país desde o 11 de Setembro de 2001.

Nos casos em que se têm registado ataques verbais ou físicos a pessoas ou instituições islâmicas, estes têm sido “denunciados por vários grupos seculares, cristãos e judaicos”.

Mais preocupantes são os dados relativos ao Judaísmo. Os judeus, ou as suas organizações, sinagogas e edifícios, sofreram 964 incidentes, mais de 70% dos crimes com motivação religiosa em 2009.

Católicos e protestantes, juntos, sofreram 6,9%. Individualmente, registaram-se 55 ataques contra pessoas ou instituições católicas ao longo do ano.

Apesar dos números globais terem aumentado 9%, e dos ataques contra católicos terem aumentado 25%, o FBI conclui que os incidentes violentos com motivação religiosa são muito raros e que não são caso para grande preocupação, com apenas 1.376 incidentes ao longo de um ano num país com mais de 300 milhões de habitantes e uma enorme diversidade étnica e religiosa.

Os incidentes com motivação religiosa constituem menos de metade dos incidentes com motivação racista e menos também do que os crimes contra a orientação sexual.


Fonte: Rádio Renascença

Nenhum comentário: