sexta-feira, 26 de novembro de 2010

"Papel da imprensa é criticar o governo" afirma sociólogo

Magnoli contesta argumentos de ministro da Secom

O sociólogo Demetrio Magnoli criticou, no seminário sobre liberdade de imprensa, os argumentos usados pelo governo para defender a discussão sobre regulação da mídia. Para ele, interesses políticos do governo contaminam o que deveria ser uma discussão de Estado.

Ele lembrou, por exemplo, que o próprio presidente Lula disse que a imprensa atua como partido.

- O governo tem obrigação de garantir a concorrência em setores da economia. Mas, quando se trata de informação e jornalismo, o governo e lado.

O papel da imprensa e criticar o governo, este, o anterior e o próximo. Não e missão do governo assegurar a liberdade de imprensa, porque ele e parte interessada. Isso e papel do Estado. E a distinção entre governo e Estado desaparece com frases como é função do governo promover a liberdade de imprensa, ou no discurso que diz que a imprensa e uma partido político. Isso e posição de um governo que tem dificuldade de distinguir entre governo e Estado ou entre corrente política do e poder publico - disse Magnoli.

Davila: Constituicao assegura direito de resposta

Sergio Davila, da Folha de S.Paulo, disse que os veículos de imprensa são abertos a criticas e contestações, com diversos canais institucionais, diferentemente de outros setores da economia, em que os consumidores tem mais dificuldades.

Para ele, o debate sobre o marco regulatório surgiu apos o controle social da imprensa ter caído em desgraca.

E citou as previsões constitucionais que garantem a liberdade de imprensa e asseguram o direito de resposta e indenização:

- Qualquer coisa que avance isso, configura censura e fere a Constituição.

Já o jornalista Ricardo Kotscho, ex-secretario de Comunicação Social do governo Lula, concordou com Franklin:

- Os donos da mídia se recusam a discutir qualquer regulação. Não aceitam nem a autorregulamentacao, qualquer regra ou limite. A imprensa tem a mais absoluta liberdade de expressao e as vezes abusa dela. A liberdade de imprensa não corre risco no Brasil. A sociedade brasileira, sim, corre sérios riscos de não ser informada corretamente, quando seus veículos atuam como partidos políticos . disse o jornalista.

Leila Suwwan
Fonte: O Globo

Nenhum comentário: