segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Coleção traz memórias de santo Agostinho

"Confissões" narra a juventude e a conversão do autor ao cristianismo

Volume, que chega às bancas em 28/11 , faz parte da série de livros que mudaram a forma de se pensar o mundo

No próximo domingo, dia 28, a Coleção Folha Livros que Mudaram o Mundo traz a autobiografia de um dos mais influentes teólogos do cristianismo. "Confissões", de santo Agostinho (354-430) é o volume 12 da coleção. A tradução é de J. Oliveira Santos e A. Ambrósio de Pina.

Agostinho é reconhecido como santo pelas igrejas católica e anglicana. Calvinistas e outras linhas do protestantismo costumam vê-lo como teólogo de referência para a Reforma Protestante, enquanto a Igreja Ortodoxa Oriental também o celebra.

Escritas entre 397-398, as "Confissões" expõem a teologia de santo Agostinho narrando sua trajetória, da juventude pecadora à conversão ao cristianismo.

Trata-se, portanto, de uma obra que cruza diversos gêneros: pode ser lida como teologia, como filosofia, como literatura ou até mesmo como história da vida privada -afinal de contas, trata-se de um dos mais completos relatos da vida no século quatro.

Uma de suas passagens mais célebres é aquela em que é descrita a confissão de santo Agostinho, no oitavo dos 13 livros que constituem as "Confissões".

Chorando embaixo de uma figueira, ele ouve de uma casa vizinha uma voz de criança conclamando: "toma e lê; toma e lê", e resolve, então, abrir as "Epístolas dos Apóstolos".

"Não caminheis em glutonarias e embriaguez, nem em desonestidades e dissoluções, nem em contendas e rixas; mas revesti-vos do Senhor Jesus Cristo e não procureis a satisfação da carne com seus apetites", diz a epístola de Paulo aos romanos, na qual seu olhar recaiu.

"Não quis ler mais, nem era necessário", conta santo Agostinho.

"Apenas acabei de ler estas frases, penetrou-me no coração uma espécie de luz serena, e todas as trevas da dúvida fugiram. Então, marcando a passagem com o dedo ou com outro sinal qualquer, fechei o livro."

Fonte: Folha de S. Paulo

Nenhum comentário: