segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Blair, católico convertido, e Christopher Hitchens, “novo ateu”, discutem religião


De um lado um católico convertido, a defender a visão de que a fé é uma força do bem, e do outro um dos maiores adeptos do “novo ateísmo”, para quem as confissões religiosas são a “principal fonte do ódio”: o antigo primeiro-ministro britânico Tony Blair e o jornalista norte-americano Christopher Hitchens vão discutir a religião esta noite, num debate transmitido na Internet em directo a partir do Roy Thomson Hall, em Toronto, no Canadá.

A “aquecer” para o debate, Blair reiterou que “o bem que é feito pelas pessoas de fé por todo o mundo, movidas pela sua religião, não pode ser subestimado e jamais ignorado”. A fé, sustenta, “pode e deve ser uma força de progresso” – uma visão com a qual meio mundo concorda, de acordo com uma sondagem, conduzida em 23 países, para os organizadores do debate, a Munk Debates.

Perto de 48 por cento dos quase 18.200 inquiridos pela empresa de sondagens Ipsos em Setembro passado aderiram à ideia de que “a religião fornece os valores e fundamentos éticos que diferentes sociedades precisam para prosperar no século XXI”. O impacto positivo da religião é sentido particularmente forte no Médio Oriente e África (perto dos 70 por cento) e muito menos nos países ricos, com a principal excepção aqui nos Estados Unidos, onde 65 por cento das pessoas partilham uma visão positiva da religião.

A Europa aparece como o bloco menos crente, onde pouco mais de 30 por cento das pessoas partilham a opinião de um impacto positivo da religião; antes, mais de 65 por cento julgam ter um impacto negativo.

Na globalidade dos inquiridos, 52 por cento disseram que “as crenças religiosas promovem a intolerância, exacerbam divisões étnicas e impedem o progresso social tanto nas nações desenvolvidas como nas em desenvolvimento” – constituem, enfim, aquilo que o jornalista e escritor Hitchens, defendeu no livro “God is not Great” (de 2007), como “principal fonte do ódio”.

Hitchens descreve o cristianismo, judaísmo e islão como “o verdadeiro eixo do mal” (alargou o conceito, em God is not Great”, a todas as religiões incluindo mesmo o hinduísmo e os novos-pagãos, raramente criticados pelos secularistas ocidentais).

Sem arrependimentos
O jornalista norte-americano tem mantido inalterada esta posição ao longo de vários anos de livros, ensaios, artigos e entrevistas, mesmo após lhe ter sido recentemente diagnosticado um cancro no esófago – facto que muitos dos seus críticos crêem que irá acabar por o fazer retractar-se do “novo ateísmo” que advoga. A estes Hitchens responde garantindo que “não tem arrependimentos”, tão pouco medo da morte, e que se sentirá “um pessoa cheia de sorte” se a doença lhe permitir viver ainda por cinco anos.

Nas declarações preparativas para o debate com Blair, o norte-americano deixou já algumas ferroadas, avaliando que é “bizarro” que o antigo primeiro-ministro britânico – que se tornou católico em 2007 – se tenha convertido “num dos períodos mais conservadores da Igreja católica, sob a tutela de um dos mais conservadores papas de sempre”.

Os bilhetes para assistir ao vivo debate no Roy Thomson Hall (2700 lugares em sala) esgotaram em poucas horas; mas o evento pode também ser visto em transmissão no website da Monk Debates (www.munkdebates.com/) no sistema de pay-per-view.


Fonte: Público - Portugal

Nenhum comentário: