domingo, 17 de outubro de 2010

Pilotos cubanos levaram milhares de judeus a Israel entre 1951 e 1952

Cinco pilotos cubanos transportaram para Israel 150 mil refugiados judeus que estavam no Iraque, Irã, Índia e Iêmen, após a fundação do Estado hebreu, em 1948, um fato que permaneceu "inédito durante 60 anos", revelou neste domingo um historiador cubano.

"Cinco pilotos da extinta companhia Aerovias Cubanas Internacionais S.A." transportaram para Israel, entre 1951 e 1952, "cerca de 150.000 judeus", entre eles "115 mil refugiados procedentes do Iraque" e "25 mil do Irã", contou ao jornal Juventud Rebelde o historiador da Aviação Rolando Marrón.

"Algumas centenas da Índia e do Iêmen" também, acrescentou Marrón, segundo quem este "complexo plano (...) permaneceu inédito durante 60 anos".

O historiador explicou que, a partir de 1948 começaram a chegar a Israel "grandes núcleos de emigrantes da Europa", mas "a situação dos judeus nos países árabes era difícil devido aos históricos confrontos".

Diante da negativa dos "governos árabes de aceitar uma migração de judeus por terra" e a impossibilidade de fazê-lo por mar, uma vez que o Egito bloqueava o Canal de Suez, as autoridades de Tel Aviv planejaram "uma das maiores emigrações em massa por avião da história", enfatizou Marrón.

A transferência foi confiada à companhia Intercontinental Aérea de Cuba S.A., devido aos "fortes vínculos de amizade" que uniam na época "um importante personagem da missão comercial de Israel em Nova York" e um empresário cubano, que também era piloto aviador.

"No fim de 1952, decresceu consideravelmente em Israel o tráfego de imigrantes judeus" e os cinco pilotos cubanos voltaram a Cuba no começo de 1953, ressaltou Marrón.

Fonte: AFP

Nenhum comentário: