quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Igreja da Flórida afirma que queimará o Alcorão apesar das críticas

A pequena igreja da Flórida ignorou as críticas mundiais e mantém seus planos de queimar em torno de 200 exemplares do Alcorão, enquanto que as autoridades locais tentam de tudo para impedir o protesto.
Apesar das condenações feitas por funcionários americanos, militares e líderes religiosos mundiais, a igreja informou que mantém seus planos de queimar livros sagrados do islã no aniversário dos ataques de 11 de setembro.

"Nós sentimos que essa mensagem é importante. Nós ainda estamos determinados a fazê-lo, sim", declarou o pastor Terry Jones à CBS nesta quarta-feira.

Ele disse que a mensagem da igreja é destinada aos radicais do islã. "Nós queremos que eles saibam que, se estão na América, precisam obedecer nossas leis e constituição e não empurrar lentamente a agenda deles sobre nós", completou.

Jones indicou na terça-feira que ainda decidiria se o evento incendiário iria ocorrer, mas aparentemente a igreja evangélica já determinou que realmente será realizado.

"Em nenhum momento nós consideramos desistir", disse o assistente administrativo da igreja evangélica Dove World Outreach Center, Fran Ingram, à AFP.

A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, classificou os planos como "vergonhosos" em meio a temores de que a ação desperte ira no mundo islâmico, colocando em perigo as vidas das tropas americanas e aliadas no Afeganistão.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon, condenou nesta quarta-feira o plano da igreja, afirmando que um ato dessa natureza não pode ser apoiado "por nenhuma religião".

A chanceler alemã Angela Merkel também classificou de odioso e erro a decisão da igreja.

"Parece-me que é uma falta de respeito, é odioso e simplesmente um erro", afirmou a chefe de Governo, durante a entrega de um prêmio de liberdade de imprensa ao chargista dinamarquês Kurt Westergaard, ameaçado de morte por extremistas muçulmanos por ter feito uma caricatura de Maomé com uma bomba como turbante.

As autoridades da pequena cidade universitária de Gainesville reuniram-se nesta quarta-feira para desenhar planos de contingência entre os bombeiros e a polícia antes da queima dos livros, prevista para as 18h00 locais (19h00 de Brasília) no próximo sábado.

O porta-voz da prefeitura, Bob Woods, disse à AFP que a igreja violará as leis municipais, que proíbem fogueiras ao ar livre, e poderá ser alvo de uma multa de 250 dólares.

No entanto, Woods completou que não está descartada a possibilidade de prisões.

"Vai depender do que ocorrerá depois da queima dos livros em Gainesville e de os bombeiros controlarem o fogo", disse. "Nós temos um plano de contingência."

Os bombeiros negaram um pedido feito algumas semanas atrás por Jones para realizar a cerimônia de queima do Alcorão ao ar livre, mas a polícia não pode intervir até que eles realmente toquem fogo nos 200 livros.

O evento organizado por uma obscura igreja evangélica, que deve ter em torno de 50 membros, agitou a normalmente pacata cidade de 124.000 habitantes localizada na Flórida.

Jones, um pastor que lidera a igreja desde 2001 e já recebeu ameaças de morte, também é autor do livro "Islam is Of The Devil" ("O islã vem do Diabo", em tradução livre).

Ele disse pretender honrar a memória das quase 3.000 vítimas do ataque promovido pela Al-Qaeda contra as Torres Gêmeas em 11 de setembro de 2001.

Mas o plano de queima do Alcorão já inflamou o mundo islâmico, e poderá gerar mais raiva por coincidir com o fim do mês sagrado do Ramadã.

As Nações Unidas uniram-se ao coro global de condenação ao ato, afirmando que civis e equipes de socorro no Afeganistão poderão ser mortos caso o plano de queimar o livro sagrado ocorra.

"Se um ato horrendo como esse ocorrer, só contribuirá para dar mais combustível àqueles que são contrários à paz e à reconciliação no Afeganistão", disse um alto funcionário da ONU no país, Staffan de Mistura.

Fonte: Terra

Um comentário:

Aletheiaagorah disse...

Olha, afirmo aqui algo que tenho quase como uma verdade....são os cristãos as pessoas mais preconceituosas. Jesus Cristo nos chama ao amor e não ao ódio. Esta igreja não está a serviço do Reino de Deus e sim a serviço de homens e mulheres ignorantes e preconceituosas. É uma pena que exista cristãos em pleno século 21 com essas idéias.