sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Índia: líder nacionalista pede fim do cristianismo no país

Um líder nacionalista indiano hindu do Partido Bharatiya Janata prometeu erradicar o Cristianismo da região de Karnataka. No mesmo dia, dois pastores protestantes foram detidos. Desde quando o Partido Bharatiya Janata encontra-se no poder no Estado, verificaram-se mais de 200 incidentes.

“Prometo que não ficarei tranquilo até quando o Cristianismo não for erradicado da região”, disse Prahlad Remani, parlamentar de Karnataka, durante as celebrações de independência da Índia no último dia 15 de agosto.

Remani, que faz parte do Partido Bharatiya Janatajp, partido no poder desde 2008 ligado ao nacionalismo hindu, acrescentou ainda: “As pessoas devem estar atentas e vigilantes para a difusão dessas sementes do Cristianismo. Os fiéis de todas as demais religiões, inclusive os hindus, devem erradicá-las”.

O Presidente nacional do Conselho dos Cristãos Indianos, Sajan Kavinkalath George, lança um alarme e convida o governo a agir contra esse tipo declaração: “Se os membros eleitos da Assembleia de Estado se abandonam a esse tipo de discurso incendiário que visa romper a harmonia e causar desconfiança, se pode pensar que eles recebem apoio político e que usarão a violência contra a vulnerável minoria cristã”.

“Desde quando o Partido Bharatiya Janata chegou ao poder em maio de 2008 - continua George - em Karnataka se verificaram mais de 200 incidentes envolvendo cristãos”. O último ocorreu no dia 15 de agosto último no distrito de Mandya, onde dois pastores e 10 fiéis do “Campus Crusade of Christ” foram detidos pela polícia. Durante o rito religioso, 30 militantes hindus entraram no local e obrigaram os presentes a interromper a função. A polícia, ao invés de prender os agressores, deteve os dois pastores e 10 fiéis. Os fiéis foram depois libertados enquanto os pastores ficaram na prisão acusados de proselitismo.

Para evitar que se repitam discursos como o de Remani e fatos como os de Mandya, o Arcebispo de Bangalore, Dom Bernard Moras, pediu ao governador de Karnataka, Hans Raj Bhardwaj, que se assegure que todos os secretários de Estado e políticos evitem fazer declarações incendiárias e depreciativas contra as religiões. Em Karnataka vive uma comunidade de um milhão de cristãos, que representa uma pequena minoria em relação a uma população de 53 milhões.

Fonte: Rádio Vaticano

Nenhum comentário: