terça-feira, 29 de junho de 2010

EUA: Supremo não reconhece imunidade diplomática do Vaticano


O Supremo Tribunal dos Estados Unidos permite o andamento do processo contra o Vaticano num caso de abuso sexual de menores.


O Supremo Tribunal dos Estados Unidos rejeitou o pedido de imunidade diplomática entregue pelo advogado da Santa Sé, permitindo assim o andamento do processo contra o Vaticano num caso de abuso sexual de menores.

Um cidadão anónimo acusa o Vaticano e a Igreja nos Estados Unidos de conspirarem para esconder e proteger um padre suspeito de abusos, que terá sido transferido da Irlanda para os Estados Unidos.

O padre morreu em 1992, mas o queixoso não desistiu do processo contra a Igreja. A acusação, neste processo cível, afirma que com base na lei do Oregon, o padre era empregado do Vaticano.

Em declarações à Renascença, o advogado do Vaticano nos Estados Unidos, que se recusou a gravar, afirma que todo este processo é uma “fantasia”.

Segundo o advogado Jeffrey Lena, todo o caso assenta na hipótese do padre ser funcionário do Vaticano o que, segundo o causídico, é mentira, logo o caso não tem pernas para andar.

Jeffrey Lena explica ainda que um Tribunal de Recurso já considerou que não é válida a teoria da conspiração.

A acusação pretende ouvir em tribunal o Papa e outros altos responsáveis da Igreja Católica, por alegado encobrimento dos casos de abuso sexual de menores por padres.

O advogado do Vaticano nos Estados Unidos afirma, por seu lado, que isso nunca será possível.

O caso vai agora voltar a um Tribunal do Oregon, onde alegadamente ocorreram os abusos sexuais de menores pelo Padre Adrew Ronan.

Fonte: Rádio Renascença

Nenhum comentário: