terça-feira, 20 de abril de 2010

Igreja renovada ou Igreja reformada?

Por Afonso Mendes

No século XVI um servo de Deus chamado Martinho Lutero, então padre católico, inconformado com a situação espiritual da sua igreja, que afastada da Bíblia ensinava doutrinas estranhas como a existência do Purgatório, compra de indulgências para tirar as almas do purgatório e levá-las ao céu, a infalibilidade papal, batismo como meio de salvação, etc., resolveu protestar contra tais discrepâncias. Fez seu pronunciamento afixando noventa e cinco teses no Castelo de Winteberg, Alemanha. Esta era a forma de provocar debates para esclarecimento do povo. E conseguiu, assim, dar início ao movimento denominado depois de Protestantismo.

Ele foi expulso da igreja Católica, que até hoje continua distanciando-se mais e mais da Palavra de Deus por insistir nos mesmos ensinos contrários à Bíblia Sagrada. Mas suas idéias ganharam o mundo, trazendo a verdadeira Igreja Cristã de volta à Bíblia. Há quem discorde por afirmar que existiam outros grupos fiéis a Bíblia, como os Anabatistas, à época de Lutero, que não compactuavam com a igreja estatal apóstata.

Lutero converteu-se a Cristo verdadeiramente. Casou-se e tornou-se pastor e escritor de renomadas obras cristãs, inclusive traduziu a Bíblia do latim para o alemão, versão conhecida como a Vulgata. Todo o seu esforço foi para a purificação da igreja cristã, para a santidade de sua vida.

Hoje vemos o movimento da renovação em voga. Mas que renovação?! A que temos presenciado no nosso país envergonha a fé cristã, descaracteriza o Evangelho bíblico, e mais uma vez distancia-nos dos princípios cristãos advindos da própria Bíblia. Hoje fala-se de sal grosso nos cultos, rosas ungidas, óleo da unção, roupas brancas, sopro de espírito, sapatinhos de fogo, “baladas gospel”, prega-se prosperidade e não arrependimento, sucesso e crescimento e não humildade e maturidade. Por estas breves citações de acontecimentos bizarros à fé cristã, vemos o quão longe estamos da Bíblia, nossa fonte de fé e de prática.

Creio que estamos vivendo uma bagunça espiritual. As igrejas, os pastores e os seminários estamos todos falhando na formação de nossos membros e futuros líderes. Onde estão os responsáveis por esta miríade de “pastores” mais interessados em crescer numericamente, Midas e cifrões, que espiritualmente?

Não vejo lugar para este tipo de renovação, que por décadas seguidas mais afastam o povo evangélico da Bíblia, portanto, de Deus. Necessitamos com grande urgência de voltar aos postulados de Martinho Lutero e seus reformadores. Precisamos voltar à Bíblia sob pena de fracassarmos como igreja e demais instituições. Segundo Jim Collins, em seu livro How the Mighty Falls, O declínio de uma igreja passa por cinco estágios nem sempre fáceis de perceber:
Autoconfiança como fruto do sucesso; A ganância e a busca desenfreada por mais crescimento; Ignorar informações críticas, a negação dos riscos; Reagir aos problemas usando artifícios que não são os melhores; e Rendição, o fracasso total. Eu acrescento mais dois: Orgulho e abandono dos princípios sobre os quais fomos construídos.

Martinho Lutero afirmou certa vez: “Ou a Bíblia me afasta do pecado, ou o pecado me afasta da Bíblia”.

Que decisão você tomará?

O mundo clama e espera pelos verdadeiros servos de Deus.

Pr. Carlos César Januário
Pastor da PIB de Rio Novo – Ipiaú, Ba.
Presidente da Convenção Batista Baiana


Fonte: Notícias de Ipiaú

Nenhum comentário: