quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Produtos ligados a religiões movimentam cerca de R$ 1 bilhão por mês

Tetê Monteiro


A máxima do cristianismo de que “a fé move montanhas” pode ser traduzida para o capitalismo do século 21 como “a fé também move a economia de um país”. No Brasil, empresários e grupos cristãos que investem na venda de produtos religiosos ou na propagação da devoção a Jesus Cristo não podem reclamar do mercado. O setor movimenta bilhões de reais ao mês no comércio de CDs, DVDs, livros, imagens, roupas, acessórios, terços, shows e uma infinidade de artigos que louvam Deus.

Só no segmento gospel, estima-se que o faturamento, incluindo toda a cadeia, gire em torno de R$ 1 bilhão ao mês, segundo a gravadora MK Music, referência no setor. Dados da Associação Brasileira de Produtores de Disco (ABPD) mostram que, entre os 20 CDs mais vendidos no país em 2008 – último dado disponível –, os dos padres Fábio de Melo e Marcelo Rossi ocupavam a primeira e segunda posições, respectivamente. O padre Marcelo Rossi também é o número 1 no ranking da vendagem de DVDs, conforme a ABPD. A Federação Espírita Brasileira (FEB) planeja editar 1 milhão de livros e afirma que o centenário de Chico Xavier, comemorado este ano, vai deixar o mercado ainda mais promissor.

De olho nos números, empresários que tinham pouca tradição no comércio de produtos religiosos passaram a investir no poder dos consumidores que têm fé. É o caso da gravadora Sony Music, que já tem o padre Marcelo Rossi em seu cast, mas lançou este ano o selo gospel, que prevê a contratação de 15 a 20 artistas ainda este ano. “No Brasil, a música gospel é um fenômeno que cresce a cada dia, independentemente de classe social, faixa etária ou região. Os artistas evangélicos arrebatam um enorme contingente de fãs e simpatizantes”, afirma em nota a gravadora.

Outra gravadora, a Som Livre, mantém em seu site com destaque uma loja virtual do grupo evangélico mineiro Diante do Trono, resultado da parceria feita com a banda que arrebata milhões de fãs pelo Brasil. Mas a Som Livre conta ainda com outros dois trunfos na vendagem de CDs e DVDs: os padres Reginaldo Manzotti e a sensação do momento, o mineiro Fábio de Melo, que inclusive estreou em um cruzeiro para fãs com o sugestivo nome Navegando com Nossa Senhora.

A Editora Mundo Cristão, que também edita livros de todos os segmentos, é outra empresa que aposta no setor. Este ano, o objetivo é alcançar a marca de 2 milhões de exemplares distribuídos, sendo que 30% desse total serão bíblias. “É importante ressaltar que o mercado não religioso descobriu o livro cristão que não defende uma ideologia doutrinária, ou seja, não é ligado a nenhuma denominação religiosa, mas prega os princípios bíblicos do cristianismo”, explica o gerente de Marketing e Vendas, Claudinei Franzini.

Um dos maiores sucesso de vendas da editora é a Bíblia FaithGirlz!, criada especialmente para as adolescentes. Segundo Franzini, foram produzidas em setembro do ano passado 30 mil cópias do produto e todas vendidas no dia do lançamento por R$ 74,90 cada. “A demanda foi tão grande que vamos importar o dobro de unidades (60 mil) e conseguimos reduzir o preço em 13,5% ( R$ 59,90). Nossa expectativa é de que se esgotem novamente”, afirma Franzini, que prevê faturamento de R$ 23 milhões este ano, alta de 35% em relação ao ano passado (R$ 17 milhões).
Para quem tem tradição nos negócios da fé no país, 2010 também será um ano de investimento. Na Igreja Católica, o grupo Comunidade Canção Nova anunciou que vai aplicar ao menos US$ 5 milhões na emissora de TV Canção Nova, de acordo com informações em seu site. Já o padre Marcelo Rossi, que leva entre 8 mil e 15 mil fiéis em cada missa que celebra, está construindo na capital paulista o novo Santuário Mãe de Deus, com capacidade para até 100 mil devotos. Projetado pelo renomado arquiteto Ruy Ohtake, a construção terá 500 banheiros, além de uma cruz de 42 metros de altura.

Os números dos evangélicos também impressionam. A gravadora MK Music, que tem em seu cast nomes como Aline Barros e Fernanda Brum que, juntas, já venderam quase 5 milhões de CDs e DVDs, tem previsão de crescimento de 10% em 2010. O faturamento não é divulgado, mas a vendagem de CDs chega a 400 mil cópias por mês no mercado nacional. “É um número expressivo. O CD evangélico não para de vender. Ainda hoje comercializo cerca de 8 mil cópias por mês de um CD da Aline Barros de 2004”, explica o gerente comercial Carlos Knust.

Aline Barros ganhou o Grammy Latino de música cristã em 2004, 2006 e 2007. No catálogo da MK ainda estão nomes como Eyshila e Kleber Lucas, que já venderam mais de 1 milhão de CDs e DVDs cada um. Segundo Knust, o mercado tem se ampliado e o detalhe é que o gênero gospel tem atraído não só consumidores evangélicos. A MK Music é a principal empresa do Grupo MK Comunicação, que, entre outros segmentos, reúne uma editora, emissora de rádio, portal e um programa de TV, o Conexão Gospel. A gravadora ainda produz eventos como o Louvorzão, que em abril espera reunir 200 mil pessoas na Quinta da Boa Vista, no Rio de Janeiro.

No espiritismo, a venda de livros é a base dos negócios da doutrina de Alan Kardec. Uma das principais editoras é a FEB, que pertence à Federação Espírita Brasileira (FEB). Com 485 títulos no catálogo, a editora afirma que o mercado não para de crescer. “E não só no segmento espírita, mas principalmente nas megalivrarias, pois os consumidores estão procurando obras que lhes tragam conforto e esclarecimentos”, afirma a gerente comercial Isabel Vieira da Cunha. O faturamento da editora não é divulgado, mas Isabel afirma que 100% da receita é destinada a obras assistenciais.

Fonte: UAI - Economia

Nenhum comentário: