sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

O que fazer se você odeia o carnaval?


O Carnaval mal chegou e já tem gente que não aguenta mais tanto confete e serpentina. Mimimi alegria, mimimi abadá, mimimi bloco de rua e marchinha e fantasia tosca. NÃO, amigo, você não precisa viajar para a Patagônia só porque desde o início de fevereiro seu vizinho ouve diariamente uma coleção de CDs de samba enredo. Acredite: em vários cantos do Brasil (aqui também!) existe vida além dessa parafernália.

Bem longe do barulho, Elva Vieira (foto), por exemplo, vai aproveitar o feriado curtindo uma boa leitura. “Não faz muito sentido pra mim essa história de marchinhas, confete, serpentina. Pior ainda quando se trata de escolas de samba ou blocos de axé no meio da rua. Apesar de alguns convites pra curtir o carnaval com os amigos, creio que vou optar pelos meus livros”, diz.

Só de pensar na agitação típica desse período, Fábio Nóvoa, jornalista e rabugento declarado, tem ataques. “Eu já tenho tão pouco tempo de folga pra ficar disputando mesa de bar, preso em engarrafamentos, desviando de garrafada ou correndo risco de levar um tiro. Prefiro cinema ou ficar em casa com a minha esposa e meu filho, ou em um lugar mais calmo, onde dê pra conversar”, diz, esclarecendo que seu horror em relação ao Carnaval não é apenas implicância.

“Tenho problemas com lugares barulhentos e cheios de gente. Além do que esses ritmos associados ao Carnaval, como marchinhas, pagode, samba, axé e tecnobrega, por exemplo, eu não suporto. E tem mais, vejo algo enrustido em homem que se veste de mulher”, brinca.

FÚRIA NA REDE

Não dá outra: quem detesta Carnaval aproveitou esta semana pra despejar na internet a ira em relação a tanto riso e alegria. O twitter que o diga. “Calculei: um país que produz marchinhas de carnaval só poderá se declarar oficialmente civilizado às 11h45 do dia 15 de setembro de 2878”, resmungou @genetonmoraes nesta segunda (8).

Ele não foi o único. “As escolas, desfiles e o Carnaval poderiam passar rápido igual a Formula Indy”, disse @Diego_Shinobi. Olha só isso e isso. No mesmo embalo, @odiegoandrade também tuitou “Odeio o Carnaval mais do que posso expressar”. A gente foi perguntar porque e ele soltou o verbo: “Não gosto principalmente por um questão de segurança, ou falta dela. As pessoas enlouquecem e se tornam ameaças ambulantes bêbadas (ou não). Algo que parece uma guerra civil com toques de apocalipse, já que, simplesmente, em determinada semana do mês de fevereiro, todas as pessoas que gostam de Carnaval acham que tudo é permitido e a partir daí, cria-se o caos”, justifica.

Fonte: Diário do Pará

Nenhum comentário: